Feira de Santana

Maternidade e autismo: Falta de conhecimento sobre o transtorno provoca o preconceito

A falta de informação embasada contribui para uma rejeição social pois quando as pessoas desconhecem a importância de um assunto se torna difícil respeita-lo.

27/05/2022 16h35
Maternidade e autismo: Falta de conhecimento sobre o transtorno provoca o preconceito
Foto: Reprodução

ESPECIAL DIA DAS MÃES

Durante uma roda de conversa conduzida pelo apresentador Jorge Biancchi no programa Jornal do Meio Dia na rádio Princesa FM, três mulheres que vivenciam o espectro autista falaram sobre os desafios e nuances que permeiam a condição.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é definido como uma neurodivergência comportamental que afeta a comunicação e percepção sensorial de um indivíduo. Segundo dados do CDC (Center of Deseases Control and Prevention), órgão ligado ao governo estadunidense, existe hoje um caso de autismo a cada 110 pessoas. Assim, estima-se que o Brasil, com cerca de 200 milhões de habitantes, possui aproximadamente 2 milhões de autistas

O espectro afeta não apenas os  portadores, mas também seus responsáveis que precisam se atentar aos cuidados necessários. A presidente da Associação Mães de Filhos Autistas (Amfa), Camile Cundes, é mãe de gêmeos, que foram diagnosticados com TEA aos dois anos. Sua primeira dificuldade foi conseguir encontrar profissionais qualificados, especialmente devido à ausência de uma equipe disciplinar no SUS.

“O tratamento é uma dificuldade, não só para eles, quanto para as mães. O primeiro acolhimento, principalmente psicológico, tem que ir para as mamães porque lidar com uma criança autista não é como lidar com qualquer criança. Todos os dias recebemos olhares diferentes, é complicado lidar com a sociedade”, relata a presidente. 

A hipersensibilidade presente no espectro é um fator estressante que pode provocar reações extremas quando há uma exposição a uma vastidão de informações sensoriais. Gritos e choros são comuns em momentos, mas outras pessoas podem interpretar a situação como birra e falta de educação por parte da mãe.

Em concordância com Camile Cundes, Marília Lima, também mãe de criança autista, disse que sentiu falta desse acolhimento quando recebeu o diagnóstico. No seu dia a dia, ela segue uma rotina estrita, mas há dias que seu filho acorda nervoso, o que demanda tempo para acalmá-lo.

“A sociedade tem que abraçar a causa, pois é algo grande e precisamos de mais apoio e mais profissionais. Existem outras mães que ficam restritas a procurar ajuda na rede pública, pois quando só se encontra portas fechadas fica difícil correr atrás”, pontua Lima.

Foi pensando nessa falta de apoio que a Amfa foi fundada, e pode ser contatada através do Instagram: @amfa.fsa.

A neuropsicóloga especialista em autismo, Dra. Ana Rita Nunes, destaca que “Quando uma mulher é mãe, ela abre mão de uma parte da vida dela. Mas quando ela é mãe de uma criança atípica, ela abdica tudo”, enfatizando que essas mães se dedicam integralmente ao cuidado de seus filhos, esquecendo de suas próprias necessidades.

Até mesmo o uso de transportes públicos, como ônibus, também pode vir a ser um desafio, pois crianças atípicas sentem dificuldades com esse tipo de veículo devido às suas limitações sociais e sensibilidade sensorial. A dificuldade de aceitação em escolas e falta de políticas públicas trazem ainda mais obstáculos para a jornada. Muitas mães precisam reduzir seus horários de trabalho ou parar de trabalhar.

Para cuidar dos portadores do transtorno, o melhor a fazer ao detectar sinais divergentes é procurar um profissional o quanto antes. O TEA pode ser reconhecido a partir dos 3 meses, a depender do grau do espectro.

“Quando o diagnóstico é feito antes dos 12 meses e essas intervenções começam, as chances de prejuízos são muito menores”, explica Antunes.

A falta de informação embasada contribui para uma rejeição social, segundo Ana Rita, pois quando as pessoas desconhecem a importância de um assunto se torna difícil respeita-lo . O conhecimento acerca do TEA precisa ser divulgado de forma responsável, sem se perder para a romantização.

Destaca-se que a crença que vacinas causam autismo é completamente equivocada e perigosa.

Para que as mães e pessoas com autismo consigam conviver com melhor qualidade de vida toda a sociedade precisa agir em prol de um bem comum.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Feira de Santana mantém saldo positivo de empregos formais

Feira de Santana mantém saldo positivo de empregos formais

O total de trabalhadores admitidos vem superando o de desligados pelo décimo nono mês...
Feira de Santana
Prefeitura esclarece que já iniciou o pagamento das empresas terceirizadas da Saúde e da Educação

Prefeitura esclarece que já iniciou o pagamento das empresas terceirizadas da Saúde e da Educação

O processo de pagamento dos terceirizados da Educação deve ser concluído na segunda-feira...
Feira de Santana
Comissão de Transição é nomeada para sucessão na presidência da Câmara de Feira de Santana

Comissão de Transição é nomeada para sucessão na presidência da Câmara de Feira de Santana

A resolução "disciplina as providências adotadas pelos municípios para a transmissão...