Política

Votação no STF contra “poder moderador” das Forças Armadas na Constituição termina em 5 a 0

Flávio Dino defende que “não existe poder militar no nosso regime constitucional”

02/04/2024 07h09
Votação no STF contra “poder moderador” das Forças Armadas na Constituição termina em 5 a 0
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O placar do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a atuação das Forças Armadas e sua hierarquia em relação aos Poderes terminou em 5 a 0 contra um “poder moderador” ou intervenção militar. Os ministros Edson Fachin, André Mendonça, Luís Roberto Barroso e Flávio Dino acompanharam o relator Luiz Fux na ação. 

No domingo (31), Dino defendeu que a Constituição Federal de 1988 não permite uma “intervenção militar constitucional” nem dá espaço para o exercício de um “poder moderador” das Forças Armadas. A caso analisado pelos ministros em plenário virtual é sobre uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) ajuizada pelo PDT em 2020. O julgamento foi aberto no último dia 29 e tem previsão de ser encerrado no dia 8 de abril. 

“Lembro que não existe, no nosso regime constitucional, um ‘poder militar’. O poder é apenas civil, constituído por três ramos ungidos pela soberania popular, direta ou indiretamente. A tais poderes constitucionais, a função militar é subalterna, como, aliás, consta do artigo 142 da Carta Magna”, declarou Dino em seu voto no domingo.

*Com informações Metro 1

Comentários

Leia também

Política
Votação do PL da desoneração vai para junho após impasses sobre municípios

Votação do PL da desoneração vai para junho após impasses sobre municípios

O debate entre o governo e as prefeituras é sobre as alíquotas da reoneração gradual...
Política
Comitê da Petrobras dá aval a indicação do nome de Magda Chambriard 

Comitê da Petrobras dá aval a indicação do nome de Magda Chambriard 

Nomeação depende de aval do Conselho de Administração. Se confirmada, Magda substituirá...
Política
Senado aprova projeto que renova cotas raciais em concursos públicos

Senado aprova projeto que renova cotas raciais em concursos públicos

Texto precisa ser aprovado pelos deputados federais até junho