Política

TCU vai investigar gastos em duplicidade do governo Bolsonaro 

O autor do pedido é o deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) e o relator será o ministro Antonio Anastasia

11/06/2022 03h02
TCU vai investigar gastos em duplicidade do governo Bolsonaro 

O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu procedimento para apurar supostos gastos em duplicidade no cartão corporativo do presidente Jair Bolsonaro (PL). O autor do pedido é o deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) e o relator será o ministro Antonio Anastasia.

De acordo com o parlamentar, há despesas que constam, simultaneamente, de faturas do cartão e de contratos firmados pela União para os mesmos serviços.

Segundo Vaz, há aumento nos gastos do Executivo com hospedagem, alimentação e locomoção dos militares que fazem a segurança do presidente – tudo pago com cartão corporativo. No entanto, os militares responsáveis pela segurança de Jair Bolsonaro e do vice, Hamilton Mourão, recebem diárias para pagar o custo de alimentação e hospedagem.

Entre janeiro de 2020 e maio de 2022, o valor foi de R$10.767.281,13 em diárias, segundo levantamento no Portal da Transparência.

A locomoção também está garantida. O governo pagou entre janeiro de 2020 e maio deste ano R$12.154.944,08 à empresa Miranda Turismo e Representações Ltda. para fornecimento de passagens.

*Bahia.ba

Comentários

Leia também

Política
‘Eu me responsabilizo pelos meus erros’, diz Bolsonaro a apoiadores em Brasília

‘Eu me responsabilizo pelos meus erros’, diz Bolsonaro a apoiadores em Brasília

Na ocasião, o mandatário ainda afirmou que "nada está perdido"
Política
Após anúncio de Rui Costa na Casa Civil, Jerônimo grava vídeo destacando capacidade do atual governador

Após anúncio de Rui Costa na Casa Civil, Jerônimo grava vídeo destacando capacidade do atual governador

O anúncio foi feito pelo presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã desta...
Política
Governo Bolsonaro é aprovado por 39% e reprovado por 36%, aponta Ipec

Governo Bolsonaro é aprovado por 39% e reprovado por 36%, aponta Ipec

Pesquisa ouviu 2 mil pessoas em todo o país, entre os dias 1º e 5 de dezembro