Feira de Santana

Sema conhece projeto de reflorestamento da Caatinga em visita à Cetep em Feira de Santana

O encontro proporcionou a troca de experiências e o compartilhamento de esforços em estratégias de preservação ambiental na região.

01/05/2024 16h31
Sema conhece projeto de reflorestamento da Caatinga em visita à Cetep em Feira de Santana
Foto: Mateus Lemos

Em comemoração ao Dia da Caatinga, a Secretaria do Meio Ambiente participou de uma visita especial ao Centro Territorial de Educação Profissional do Portal do Sertão (Cetep), em Feira de Santana, na última segunda-feira (29). O objetivo principal foi conhecer o Projeto Reflorestando a Caatinga e participar da primeira aula prática com os estudantes. O encontro proporcionou a troca de experiências e o compartilhamento de esforços em estratégias de preservação ambiental na região.

Durante a visita, a equipe da Sema teve a oportunidade de conhecer o projeto e observar as práticas de reflorestamento e conservação da vegetação nativa da região. Para Luana Pereira, engenheira florestal da Sema, é significativo para a secretaria conhecer esse projeto-piloto que propõe auxiliar no reflorestamento da Caatinga. O projeto envolve estudantes de ensino profissional, no plantio de mudas de espécies da Caatinga, como o Jacarandá.

“O pontapé inicial desse projeto ocorreu hoje, um dia após o Dia da Caatinga, com a participação de pessoas muito motivadas, incluindo professores e estudantes. Estamos muito satisfeitas, representando a Sema, em ver esse processo se iniciando e em poder nos envolver, apoiar e compartilhar informações técnicas para fortalecer ainda mais o projeto”, explicou Luana Pereira, que estava acompanhada das servidoras Patrícia Rabelo e Ana Paula Alves.

O reflorestando a Caatinga é uma proposta pedagógica que visa a formação dos estudantes através do desenvolvimento de mudas a partir de sementes nativas. O principal objetivo é reflorestar a área próxima à escola, contribuindo para a recuperação da Lagoa do Cachorro. ” Estamos envolvendo estudantes do curso de agropecuária para operar o viveiro. Queremos também engajar pessoas de outros cursos, como Edificações e Informática, para poderem também contribuir com o projeto”, explicou Sidney Martins, vice-diretor da Cepet.

“Mão na Terra”

A aula prática “Mão na Terra” proporcionou uma experiência enriquecedora aos estudantes. Eles puderam colocar em prática técnicas de preservação ambiental e aprender sobre a importância da conservação do solo e das plantas nativas da Caatinga. Uma ação para estimular a pesquisa científica e contribui significativamente para a preservação da biodiversidade. As estudantes Eliene Santos e Thaíse Moura são exemplos de como podem levar esses conhecimentos às suas comunidades.

“Esse projeto realmente fez a gente refletir, pois mostra que não é apenas sobre desmatar, mas também sobre reflorestar. Despertou em nós o interesse na área, porque atualmente vemos muito desmatamento sem a devida preocupação com o reflorestamento. Essa iniciativa é algo que motiva dentro do curso, pois estamos aqui para adquirir novos conhecimentos e levá-los para nossas comunidades. Estamos aqui para adquirir novos conhecimentos e aplicá-los lá, na prática”, explicaram as estudantes.

Rafaela Lopes, que há sete anos concluiu o curso de Meio Ambiente no Cepet, retorna à escola com uma nova missão: agora, como parceira do projeto Reflorestando a Caatinga. Sua chegada marca uma importante parceria para o projeto, pois ela está encarregada de captar recursos financeiros para expandir a iniciativa. “É emocionante retornar como parceira de um projeto tão significativo, levando mudas e conscientização para outras instituições e comunidades”, explica.

O professor Bitencourt Louran, explicou que o viveiro funciona como um berçário, com a produção de mudas que serão utilizadas para reflorestar áreas específicas. Há uma necessidade de conservação das espécies nativas, e tanto a escola quanto os alunos estão interessados em adquirir conhecimento. O professor ressaltou que eles estão trabalhando com espécies que possuem potencial medicinal, forrageiro e madeireiro, além de algumas que estão ameaçadas de extinção ou em vias de extinção.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Secretário esclarece que prefeitura já iniciou pagamento de artistas da Micareta

Secretário esclarece que prefeitura já iniciou pagamento de artistas da Micareta

Jairo Carneiro refutou as informações sobre uma suposta prioridade de pagamento para...
Feira de Santana
Santa Casa de Feira realiza mutirão gratuito para diagnóstico de osteoporose

Santa Casa de Feira realiza mutirão gratuito para diagnóstico de osteoporose

Para participar, as pessoas interessadas devem se dirigir Centro Médico de Especialidades...
Feira de Santana
Campanha de vacinação contra a raiva ocorre em 15 bairros neste sábado

Campanha de vacinação contra a raiva ocorre em 15 bairros neste sábado

A imunização anual evita o contágio e a transmissão da doença de animais para humanos....