Feira de Santana

Rede de proteção encoraja mulheres a romperem o silêncio

Mais de 80% das queixas são de violência psicológica

12/08/2022 06h49
Rede de proteção encoraja mulheres a romperem o silêncio
Foto: Jorge Magalhães

Nesta semana duas mulheres foram encaminhadas para uma casa de acolhimento regional. A identidade delas é preservada, assim como é mantido em sigilo o local onde vão passar os próximos dias. São vítimas de atitudes cruéis dos respectivos companheiros, estão em situação de violência, ameaça e risco de morte.

Diariamente relatos semelhantes chegam à Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres de Feira de Santana e ao Centro de Referência Maria Quitéria, porta de entrada para a rede de assistência e acolhimento para as vítimas da violência que, geralmente, é cometida dentro de casa pelo companheiro.

“A maior demanda é de mulheres que sofrem da violência psicológica. Mais de 80% delas sofrem com isso e muitas vezes não percebem”, afirma Josailma Ferreira, chefe da Divisão de Promoção dos Direitos da Mulher.

Nesta quinta-feira, 11, representantes dos órgãos que compõem essa rede se reuniram para fortalecer ainda mais esse trabalho no município. O encontro ocorreu na Secretaria de Políticas para as Mulheres e integra a programação do Agosto Lilás.

“Quando a rede é bem estruturada, com cada órgão trabalhando dentro da sua competência e se comunicando de forma harmoniosa, a mulher que vive a violência na invisibilidade se sente encorajada em denunciar. Ela percebe que não está sozinha, uma vez que terá o amparo psicológico, emocional e financeiro para se sentir fortalecida para sair desse ciclo da violência”, salienta Josailma.

A secretária da Mulher, Gerusa Sampaio, reforçou que enfrentar a violência doméstica é encorajar a mulher para quebrar o silêncio. Para isso, o município possui uma “rede integrada e fortalecida. Somos referência pois trabalhamos de forma sincronizada e em sintonia”.

Para procurar o serviço não é necessário prestar o boletim de ocorrência. Pode ir até a Secretaria da Mulher, onde será recebida por uma equipe multidisciplinar (psicólogo, assistente social, orientação jurídica) que fará a escuta. Daí será identificada as demandas dessa mulher e ela será referenciada.

MARIA DA PENHA

A operação Ronda Maria da Penha é mais um equipamento da rede de proteção à mulher que consiste em um agrupamento da Polícia Militar especializado no enfrentamento e atua na fiscalização do cumprimento das medidas protetivas de urgência.

Atualmente são 176 mulheres acompanhadas em locais, dias e horários que ela indica. Diariamente são visitadas dez mulheres para que não haja esse descumprimento.

“Ficamos atentos e quando a situação é mais grave aumentamos a vigilância”, enfatiza a tenente Renata Martins, coordenadora da Ronda Maria da Penha.

Participaram da reunião representantes de movimentos sociais, organizações comunitárias, da Delegacia Especializada em Assistência à Mulher (DEAM), Promotoria de Justiça e Ronda Maria da Penha.

*Secom

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Colégio recém-inaugurado tem módulo interditado em Feira de Santana

Colégio recém-inaugurado tem módulo interditado em Feira de Santana

A unidade de ensino foi inaugurada nesta segunda-feira(19) e teve investimentos de cerca...
Feira de Santana
Prefeito Colbert revela motivo de não comparecer à conferência para tratar sobre casos de dengue

Prefeito Colbert revela motivo de não comparecer à conferência para tratar sobre casos de dengue

O prefeito revelou que não pode comparecer ao evento no sábado pela manhã.
Feira de Santana
Três Unidades de Saúde da Família retomam atendimentos após chuvas

Três Unidades de Saúde da Família retomam atendimentos após chuvas

A comunidade afetada pela suspensão temporária de atendimentos pode buscar assistência...