Mundo

Projeto de lei quer banir TikTok nos Estados Unidos

A suspeita foi levantada ainda no governo de Donald Trump, que já queria proibir o app de ser baixado.

15/12/2022 16h22
Projeto de lei quer banir TikTok nos Estados Unidos
Foto: cottonbro studio/Pexels

Um projeto no senado americano quer banir a rede social chinesa Tiktok nos Estados Unidos. O senador republicano Marco Rubio anunciou nesta terça-feira (13) o projeto bipartidário com o objetivo do banimento da rde.

A ação aumenta a pressão sobre a Bytedance, dona da plataforma de vídeos, em meio a temores dos EUA de que o app possa ser usado para espionar ou censurar norte-americanos. A suspeita foi levantada ainda no governo de Donald Trump, que já queria proibir o app de ser baixado.

Em uma audiência no mês passado, o diretor do FBI, Chris Wray, disse que as operações do TikTok nos EUA levantam preocupações de segurança nacional, sinalizando o risco de que o governo chinês possa aproveitá-lo para influenciar os usuários ou controlar seus dispositivos.

Alabama e Utah se juntaram na segunda-feira a outros estados dos EUA para proibir o uso do TikTok em dispositivos do governo estadual. “É preocupante que, em vez de encorajar o governo a concluir sua revisão de segurança nacional do TikTok, alguns membros do Congresso tenham decidido promover, de forma política, a proibição, que não fará nada para reforçar a segurança nacional dos EUA”, disse um porta-voz do TikTok.

*Metro 1

Comentários

Leia também

Mundo
Donald Trump é considerado culpado em mais de 30 acusações

Donald Trump é considerado culpado em mais de 30 acusações

Essa é a primeira vez que um ex-presidente dos EUA foi acusado e recebe condenação criminal;...
Mundo
Presidente do Irã morre em acidente de helicóptero

Presidente do Irã morre em acidente de helicóptero

O veículo aéreo caiu em uma região de montanhas no noroeste do país em meio à uma...
Mundo
Israel lança ataque contra o Irã, afirma imprensa dos EUA

Israel lança ataque contra o Irã, afirma imprensa dos EUA

Até o momento nenhum dos países se manifestou oficialmente sobre o caso