Brasil

Projeto de Lei criminaliza a misoginia; entenda

A misoginia é estrutural e é uma das consequências do patriarcado

24/03/2023 12h53
Projeto de Lei criminaliza a misoginia; entenda
Foto: De Olho na Cidade

ESPECIAL MARÇO MULHER

Misoginia é o termo que define a prática de discriminação ou agressão a mulher, por algum tipo de preconceito ou aversão ao sexo feminino. Essa prática pode ser incluída na Lei 7.716/1989, que trata dos crimes de racismo, homofobia e transfobia.

Segundo a advogada Camila Trabuco, assim como o racismo, a misoginia é estrutural.

“Muitas pessoas reproduzem a prática sem perceber. Nós vemos atos de misoginia em frases como ‘isso é coisa de mulherzinha’, ou quando algo acontece no trânsito quando uma mulher é motorista e se diz ‘só podia ser mulher’. São pequenas atitudes que levam a grandes atos de misoginia, como a violência doméstica ou o próprio feminicídio. É uma cultura inteira que ainda persiste na nossa sociedade”, explica a advogada.

Foto: De Olho na Cidade

A misoginia é uma das consequências do patriarcado, sistema social que coloca o poder e dominação nas mãos do gênero masculino. A partir desse sistema, surge o machismo — que coloca os homens como superiores — e institui a misoginia, que põe o feminino em posição de fragilidade e inferioridade, atribuindo a elas apenas funções de procriação e trabalho doméstico.

“A misoginia precisa ser debatida e combatida, para que as mulheres não sofram tantas consequências, como poucas oportunidades de ascensão no mercado de trabalho, salários inferiores mesmo exercendo a mesma função que os homens — o que já vem sendo combatido com projetos de leis de igualdade salarial. A necessidade da mulher que ainda tem o dever de cuidar dos filhos e da casa, sem divisão de tarefas com o parceiro, também é uma consequência”, diz a profissional.

Em março deste ano, a psicóloga e pesquisadora da Universidade de Brasília Valeska Zanello encaminhou ao Senado uma proposta de lei para criminalizar a misoginia. A ideia legislativa já alcançou os 20 mil apoios necessários para tramitar no Senado na forma de Sugestão Legislativa.

A iniciativa foi apoiada pela senadora Ana Paula Lobato (PSB-MA), que a transformou em um Projeto de Lei (PL – 896/2023). A medida prevê multas e penas de reclusão de um a cinco anos ao acusado, a depender da gravidade do ato praticado contra a mulher.

Comentários

Leia também

Brasil
Brasil ultrapassa meio milhão de casos de dengue

Brasil ultrapassa meio milhão de casos de dengue

Dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (12)
Brasil
Ministério da Saúde libera R$ 17 bilhões em recursos para ações de saúde

Ministério da Saúde libera R$ 17 bilhões em recursos para ações de saúde

Recursos não utilizados durante a pandemia serão destinados para custeio e investimentos...
Brasil
Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do grupo varejista Magazine Luiza

Morre aos 97 anos Luiza Trajano Donato, fundadora do grupo varejista Magazine Luiza

As informações preliminares indicam que a morte tenha sido por causas naturais em sua...