Economia

Presidente do Sindicato dos bancários critica manutenção da taxa Selic em 10,25% a

A decisão do Copom, portanto, continua a gerar debates e preocupações entre economistas e líderes sindicais

29/06/2024 19h06
Presidente do Sindicato dos bancários critica manutenção da taxa Selic em 10,25% a

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a decisão de manter a taxa Selic em 10,25% surpreendeu muitos especialistas do mercado, interrompendo uma sequência esperada de cortes. Para Eritan Machado, presidente do Sindicato dos Bancários de Feira de Santana, essa decisão é extremamente prejudicial para a economia brasileira.

“Existia uma perspectiva, um viés de queda da Selic que foi interrompida na última reunião. Manter o índice em 10,25% é algo muito prejudicial para a economia do país,” afirmou. Ele explica que uma Selic mais baixa possibilita um crédito mais acessível, o que incentiva o consumo e movimenta a economia. “Quando o crédito está barato, as pessoas conseguem tomar empréstimos e pagar juros menores. Com isso, elas consomem mais, o comércio vende mais, a indústria produz mais e contrata mais pessoas. Isso é crucial para reduzir o desemprego e estimular o crescimento econômico.”

Eritan ressalta que a inflação está controlada, com a meta em 3% e o teto em 4,5%, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) projeta uma inflação de 3,8% a 3,9% para este ano.

“Não há justificativa para manter a Selic em dois dígitos dada a conjuntura do país. Precisamos aumentar o PIB, contratar mais pessoas e reduzir o desemprego. Um dos caminhos para isso é reduzir a taxa Selic,” argumenta.

Além de não fomentar o aquecimento da economia, Eritan aponta que a Selic elevada também impacta negativamente a dívida pública.

“A Selic é usada como referência para o pagamento dos juros dos títulos públicos federais. Uma Selic elevada é muito mais favorável para quem vive da renda desses títulos, mas o governo remunera esses títulos através do seu orçamento, aumentando a dívida pública,” explica. Segundo ele, reduzir a Selic também beneficiaria a redução do déficit primário.

Para Eritan Machado, a Selic deve ser elevada apenas quando a inflação está fora de controle, com o objetivo de frear o consumo. “Mas esse momento não é o que se aplica,” conclui, reforçando a necessidade de uma revisão na política de manutenção da Selic em patamares elevados.

Comentários

Leia também

Economia
51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

Esses indivíduos que desconhecem seus próprios débitos têm 206 milhões de ofertas...
Economia
Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Segundo o ministro Fernando Haddad, governo precisa de projeto aprovado antes do recesso ...
Economia
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Dados protegidos pelo sigilo bancário não foram expostos