Brasil

Porto Alegre é atingida por fortes chuvas, nível do Guaíba volta a subir e aulas precisam ser suspensas

Moradores e comerciantes tiveram que deixar prédios de algumas regiões após novas enchentes

24/05/2024 07h18
Porto Alegre é atingida por fortes chuvas, nível do Guaíba volta a subir e aulas precisam ser suspensas
Foto: Gilvan Rocha/Agência Brasil

A prefeitura de Porto Alegre e o governo do Rio Grande do Sul, anunciaram a suspensão das aulas nesta sexta-feira (24), devido ao retorno das fortes chuvas no estado nesta quinta-feira (23). 

O nível do lago Guaíba voltou a subir e bairros ficaram novamente alagados, chegando a registrar água na altura dos joelhos. O que também interrompeu o trabalho de limpeza em alguns locais.

Com uma cota de inundação de 3 metros, o Guaíba registrava 3,92 metros, às 14h15, nesta quinta (23). Nos piores momentos da tragédia, o lago bateu recorde e chegou a 5,33, mas estava em baixa nas últimas semanas.

A Defesa Civil do estado registrou, nesta quinta (23), 163 mortes em decorrência das chuvas que tiveram início em abril. Ainda há 72 pessoas desaparecidos, e o número de feridos chega a 806 feridos.

No total, 468 municípios foram afetados, sendo que 65.762 pessoas continuam desabrigadas e 581.643 foram desalojadas. Conforme o governo gaúcho, 82.666 pessoas foram resgatadas.

*Com informações Metro1

Comentários

Leia também

Brasil
Fila de espera do Bolsa Família atinge recorde de quase 700 mil famílias aguardando benefício

Fila de espera do Bolsa Família atinge recorde de quase 700 mil famílias aguardando benefício

Governo enfrenta dificuldades para atender demanda do Bolsa Família com orçamento limitado...
Brasil
Bolsa Família: pagamentos começam nesta quinta-feira (18)

Bolsa Família: pagamentos começam nesta quinta-feira (18)

O município baiano de Vitória da Conquista está com o sistema suspenso por instabilidade...
Brasil
Número de motoristas com problema de visão cresce quase 80% em 10 anos, aponta levantamento

Número de motoristas com problema de visão cresce quase 80% em 10 anos, aponta levantamento

Total passou de 14,4 milhões, em 2014, para 25,4 milhões, em 2024