Política

Partido Liberal acusa Sérgio Moro de abuso de poder e caixa dois

Em nota, o senador eleito afirmou que processará a sigla “pelas falsidades levantadas”

25/01/2023 17h07
Partido Liberal acusa Sérgio Moro de abuso de poder e caixa dois
Foto: reprodução/Twitter

O Partido Liberal entrou com uma ação contra o senador eleito Sérgio Moro (União Brasil), alegando que durante as eleições de 2022, o ex-juiz federal se beneficiou de caixa dois e perpetuou abuso de poder. 

Apesar de Moro ter “reatado” com Bolsonaro e acompanhado ele em compromissos durante a campanha de reeleição no ano passado, o PL, partido do ex-presidente, entrou com o processo no Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PR), no dia 23 de novembro, que estava em segredo até janeiro de 2023.

A sigla afirma que o ex-juiz federal superou o teto de gastos na disputa do Senado, alegando que mesmo com o limite estabelecido por lei, de R$ 4,4 milhões, Moro supostamente gastou o total de R$ 6,7 milhões para a pré-campanha à Presidência e a campanha ao Senado.

“O conjunto das ações foi orquestrado de forma a, dentre outras irregularidades, usufruir de estrutura e exposição de pré-campanha presidencial para, num segundo momento, migrar para uma disputa de menor visibilidade e teto de gastos vinte vezes menor, carregando consigo todas as vantagens e benefícios acumulados indevidamente”, diz um trecho do documento.

Além disso, o senador eleito foi acusado de limitar as contratações de serviços por parte de partidos e fundações partidárias com empresas de amigos e conhecidos dele. 

Posicionamento de Sérgio Moro

Diante da gravidade das acusações e da repercussão da ação, Moro emitiu um pronunciamento oficial, onde repudiou a postura do PL e afirmou que irá processar o partido “pelas falsidades levantadas”.

“Eu e meus suplentes ainda aguardamos ser notificados pela Justiça Eleitoral. Daquilo que vi pela imprensa, porém, percebo tratar-se de uma ação feita em parceria pelo PL/PR e Podemos, ou seja, entre o segundo e terceiro colocados derrotados, atendendo aos interesses de uma nova eleição e do PT. Puro desespero dos perdedores e de quem teme nosso mandato” iniciou a nota.

“Todavia, nada temo. Sei da lisura das minhas ações, suplentes e fornecedores. Não houve aplicação ilegal de recursos, tampouco caixa2, triangulação ou gastos além do limite, como sugerem provar apenas com matérias de blogs e notícias plantadas. A ilustrar o absurdo da ação encontra-se a afirmação fantasiosa de que a pré-candidatura presidencial teria beneficiado minha candidatura ao senado quando foi exatamente o oposto, tendo o abandono da corrida presidencial gerado não só considerável e óbvio desgaste político, mas também impacto emocional.”

“Tentam nos medir com a régua deles. Mas nossa retidão moral é inabalável e inquestionável, como será novamente demonstrado. Ao final serão processados, eles sim, pelas falsidades levantadas”, concluiu.

*Metro 1

Comentários

Leia também

Política
Flávio Bolsonaro diz que o pai não tem data para retornar e culpa presidente do Senado por ataque golpista 

Flávio Bolsonaro diz que o pai não tem data para retornar e culpa presidente do Senado por ataque golpista 

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) afirmou neste sábado (28) que o ex-presidente Jair...
Política
Zé Ronaldo será homenageado pela União dos Municípios da Bahia

Zé Ronaldo será homenageado pela União dos Municípios da Bahia

A homenagem será realizada juntamente com a entrega da reforma do Anexo José Ronaldo...
Política
Michelle Bolsonaro desembarca no Brasil sem o marido

Michelle Bolsonaro desembarca no Brasil sem o marido

O ex-presidente não tem previsão para retomar ao país