Economia

Nova legislação auxilia empresas de eventos na retomada pós-pandemia

O Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) foi instaurado pela  Lei 14.148/2021.

31/01/2023 12h34
Nova legislação auxilia empresas de eventos na retomada pós-pandemia
Foto: De Olho na Cidade

A pandemia da Covid-19 trouxe desafios para empresários e donos de negócios, especialmente empresas do setor de eventos. Para auxiliar o processo de retomada e amenizar alguns prejuízos, o Governo Federal instaura novas medidas para a cobrança de direitos tributários.

O Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) foi instaurado pela  Lei 14.148/2021, e sua adesão foi até dezembro de 2022. Apesar disso, alguns benefícios ainda são válidos e podem ser requeridos.

“Como benefício dessa lei, temos a possibilidade de renegociação de dívidas — essa possibilidade abrange  débitos tributários, que são impostos de rendas, contribuição social, PIS e também débitos não-tributários, onde aborda o FGTS, e outros débitos previdenciários, que estejam escritos em dívidas ativas da união, até o período de outubro de 2022”, explica a especialista em direito tributário e financeiro, Giovana Aguiar, ao De Olho na Cidade.

Os benefícios também abrangem um desconto de até 100% de todas as multas e encargos. Essas negociações de dívidas podem ser parceladas em até 145 meses. Além da renegociação, a legislação também trouxe a possibilidade de ‘isenção tributária’.

“E esse é o mais importante que atuamos no momento, pois ainda está em vigor e é uma oportunidade para empresas que atuam nos setores de evento e turismo estarem inseridas nesse contexto de ‘alíquota zero’. Ou seja, essas empresas que estão disponibilizando a adesão desse Perse, ficaram sem recolher impostos no período de cinco anos”,  pontua a especialista, que também é doutoranda em Ciências Jurídicas.

O financiamento a folha de pagamento foi outra possibilidade trazida, no entanto, esse financiamento — que seria uma indenização para as empresas que tiveram uma queda de 50% do seu faturamento — ainda precisa de uma lei para regulamentar.

“Quando tiver essa lei que possa regulamentar esse financiamento, aí sim ela será viável este inciso da lei. Enquanto isso, é possível a renegociação de dívidas e isenção tributária”.

Para ter acesso aos benefícios da legislação, o primeiro passo é que as empresas procurem um profissional especializado na área, para analisar o caso integralmente de acordo com a situação da empresa, e oriente, vendo as controvérsias que a legislação traz, bem como indique o melhor caminho a ser seguido.

“O primeiro passo é que o empresário procure um advogado da área, para que ele obtenha as informações necessárias e faça adesão a esse programa”, destaca.

A advogada Giovana Aguiar, especialista em direito tributário, é doutoranda em Ciências Jurídicas pela UMSA e faz parte da Comissão de Direito Tributário e da Mulher (OAB/FSA). Pode ser encontrada pelo instragram: @GiovanaAguiarr

Comentários

Leia também

Economia
51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

Esses indivíduos que desconhecem seus próprios débitos têm 206 milhões de ofertas...
Economia
Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Segundo o ministro Fernando Haddad, governo precisa de projeto aprovado antes do recesso ...
Economia
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Dados protegidos pelo sigilo bancário não foram expostos