Programa De Olho na Cidade

22/11/2021 - 11:58

Especialista ressalta importância da fisioterapia para o tratamento do câncer de próstata

Novembro Azul
Especialista ressalta importância da fisioterapia para o tratamento do câncer de próstata

Novembro é o mês destinado à conscientização sobre o câncer de próstata, doença que, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), deve acometer só neste ano mais de 65 mil homens. Como em toda doença, a melhor forma de combate está na prevenção. Para tanto, devemos estar atentos a fatores de risco e realizar os exames periódicos, segundo a fisioterapeuta Wilma Teixeira, a fisioterapia começa a auxiliar desde o processo da prevenção.

“A importância da fisioterapia começa desde a promoção até o tratamento mais efetivo, como é sabido os homens tem certa dificuldade em procurar o médico, principalmente derrubar alguns tabus, que faz com que esses homens não procurem orientação médica cedo, então acaba trazendo um comprometimento muito grande pra esses pacientes.” Afirma.

Identificar os primeiros sintomas associados à doença em conjunto com a equipe interdisciplinar faz parte das atribuições do fisioterapeuta. No entanto, a atuação do profissional será essencial após o diagnóstico, uma vez que o tratamento para câncer de próstata pode causar incontinência urinária e disfunção erétil.

“A fisioterapia vai atuar promovendo e incentivando esses pacientes a procurar um serviço de saúde se tiver um histórico familiar de câncer, com fatores como idade, histórico de tabagismo e posteriormente pós-tratamento que pode ser por meio da quimioterapia, radioterapia ou intervenção cirúrgica. Os estudos mostram que a intervenção fisioterapêutica seja feita antes do paciente ser submetido ao tratamento, para que quando ele faça o tratamento ele já tenha uma noção das complicações que poderão vim após esse tratamento, as maiores complicações são em relação ao comprometimento do assoalho pélvico, da função urinária e sexual deste paciente, então isso compromete muito a vida desse homem, o ideal é que passe pelo fisioterapeuta antes para que prepare essa musculatura para que no pós-cirurgia a recuperação seja mais rápida.” Explica.

De acordo com Wilma, o fisioterapeuta avaliará o histórico do paciente, considerando queixas e alterações, para propor um tratamento dentro de técnicas comportamentais, de cinesioterapia, como exercícios para a musculatura da região pélvica, estimulação elétrica e biofeedback

“A gente dispõe de alguns recursos como a cinesioterapia, que são os exercícios para que a musculatura reestabeleça suas funções e consiga aumentar a sua eficiência, existe também a estimulação para avaliar e tratar a musculatura, outro dispositivo que a gente conta também é a eletroestimulação que além de estar focado no fortalecimento do assoalho pélvico é possível gerar estímulos em áreas que eventualmente tenham sido lesionadas.” Pontua.

Comentários

Leia também