Programa De Olho na Cidade

18/11/2021 - 08:25

Dislexia: psicólogas explicam o que é o problema e como superá-lo; entenda na reportagem

Reportagens Especiais
Dislexia: psicólogas explicam o que é o problema e como superá-lo; entenda na reportagem
Foto: Reprodução

Edi Conceição

A infância é um período da vida marcado por inúmeras experiências e aprendizados para muitas crianças, porém problemas como a dislexia podem atrapalhar o desenvolvimento pessoal e profissional de várias delas. De acordo com a ABD- Associação Brasileira de Dislexia, o distúrbio é o mais incidente nas salas de aula brasileiras e atinge entre 5 %e 17 %por da população mundial.

Em conversa com a psicóloga clínica Letícia Guimarães, ela explica melhor o que é o problema:

“A dislexia é um transtorno de aprendizado que se caracteriza por um déficit central no processamento fonológico, ou seja, resulta em prejuízos na decodificação, na soletração e também no reconhecimento de algumas palavras”.

(Foto: Arquivo pessoal)      

Letícia também pontua como o distúrbio se desenvolve e se caracteriza, destacando que o problema é mais comum em meninos dos que em meninas.

“Os principais aspectos que vão caracterizar a dislexia são a dificuldade na leitura de palavras, sendo que isso acontece de forma imprecisa e lenta. Há ainda a dificuldade de compreender o sentido e isso gera consequências tanto na escrita quanto na ortografia. É claro que esses aspectos de forma isolada não significam que a criança tem esse transtorno. A gente precisa observar a persistência dessas dificuldades, observar o grau de comprometimento, e por fim, realizar um diagnóstico diferencial afim de descartar outras possibilidades.  É possível perceber o início desses primeiros sinais quando se inicia o processo de alfabetização lá por volta dos 6 anos, ocorrendo com mais frequência em meninos”, afirma a psicóloga.

 

Em conversa também com a psicóloga, neuropsicóloga e letróloga Ana Rita Antunes ela destaca a possibilidade de acontecer um diagnóstico tardio desse transtorno.

“Pode ocorrer do diagnóstico acontecer já na fase adulta. Muitas crianças tiveram problemas de aprendizagem e foram empurrando o problema e quando chegaram na fase adulta tiveram consciência dessa dificuldade e aí procurou um profissional da área e através de testes, avaliações percebeu a existência da dislexia”, afirma.

(Foto: Arquivo pessoal)

A profissional fala ainda sobre a importância do tratamento visando a melhoria na qualidade de vida da criança. Por último, ela destaca o trabalho do psicólogo com uma pessoa dislexa.

“A dislexia não tem cura, mas o tratamento vai fazer com que essa pessoa tenha uma vida mais tranquila, entendendo o seu problema e buscando alternativas para esse distúrbio. O psicólogo é muito importante no tratamento da dislexia, muito embora, ele não vá tratar do processo de aprendizagem, ele vai trabalhar esse nível de conscientização do dislexo, fazendo essa pessoa entender o problema que o acomete e tratar também a questão da baixa autoestima, da dificuldade de relacionamento. O profissional da Psicologia vai orientar esse sujeito, ensinando técnicas para melhorar a qualidade de vida”, finaliza Ana Rita Antunes.

Comentários

Leia também