Programa De Olho na Cidade

11/11/2021 - 16:30

Academia Metropolitana de Artes e Letras é criada em Feira de Santana

Cultura
Academia Metropolitana de Artes e Letras é criada em Feira de Santana
Foto: Divulgação
Reforçando a difusão cultural, a Academia Metropolitana de Artes e Letras de Feira de Santana foi criada dentro das comemorações pelo Dia Nacional da Cultura. O ato ocorreu no último dia 5, no Teatro Municipal Margarida Ribeiro.
 
A heroína brasileira Maria Quitéria foi escolhida como patrona da Academia, enquanto a madrinha é a professora Lélia Vitor Fernandes de Oliveira.
 
Inicialmente constituída com 14 acadêmicos, a Academia de Artes e Letras foi idealizada pelo escritor, psicólogo e presidente da instituição, Maroel Bispo, com objetivo de integrar e valorizar personalidades artísticas e intelectuais do município.
 
“Feira de Santana é uma cidade referência para outros municípios, exercendo influências de ordem econômica, política e sociocultural e tem muito a contribuir, por meio desta Academia, para o engrandecimento da cultura”, afirmou Maroel Bispo durante discurso de posse.
 
Como membros efetivos se destacam os artistas e intelectuais: Maroel Bispo, Cláudia Gomes, Alexandra Patrocínio, Celiah Zainn, Aretuza Santos e Júlia Suzarte, de Feira de Santana; Antônio Cazumbá, Valmir Pereira e Analú Fernandes, de São Gonçalo dos Campos; Gilmara Belmon, de Amélia Rodrigues e José Ilton Gomes dos Santos, de Conceição do Jacuípe.
 
Na categoria de Membros Honorários, pelos relevantes serviços prestados à comunidade feirense, foram consagrados a professora Lélia Vitor Fernandes de Oliveira, o ex-vereador e ex-secretário municipal Justiniano Oliveira França, e a professora Kel Silva.
 
“Com esse espaço, o povo de cada município da nossa região passa a ter um registro histórico que imortaliza as tradições, as artes, as letras e os homens e mulheres que fizeram e fazem a vida cultural de suas respectivas cidades”, pontua o presidente da Academia, Maroel Bispo.
 
A cerimônia teve apoio da Prefeitura de Feira, por meio da Fundação Egberto Tavares Costa (FUNTITEC), que cedeu as instalações do Teatro Margarida Ribeiro.
 
*SECOM

Comentários

Leia também