Programa De Olho na Cidade

01/05/2021 - 13:23

Mente agitada afeta memória e qualidade de vida, afirma especialista

Saúde
Mente agitada afeta memória e qualidade de vida, afirma especialista
Foto: Divulgação

Trabalho, reuniões, cuidado com a casa e ainda pensar nas atividades pessoais tem sido um dos grandes motivos de agitação da mente durante a pandemia. Segundo a otorrinolaringologista, especialista em medicina do sono, Carolina Grinfeld, o grande volume de atividades ao longo do dia e também a falta de rotina colaboram para um desequilíbrio no desempenho das pessoas, acarretando também em uma má qualidade no sono.

De acordo com ela, é necessário que as pessoas criem o hábito de programar o que vai fazer durante o dia, e por fim, dormir bem. “O ideal é que evite eletrônicos pelo menos umas duas horas antes de dormir, a literatura chego a falar em 4 horas. As pessoas tem que entender que pra gente memorizar o que aprendemos durante o dia, e que para produzir, a gente precisa dormir”, diz.

“Quanto as pessoas que estão em home office, as empresas mandam Whatsapp, mandam mensagem a qualquer hora, ou email, e espera que a pessoa por estar em casa tem que responder. Ou seja, as pessoas tem que limitar o horário certo, e definir o que é trabalho e o momento de lazer. Evitar cafeína e derivados próximo ao horário de dormir, chá verde, chá mate, refrigerante, porque vai deixar a pessoa com estimulo maior e evitar que o sono chegue”, frisa.

Uso de medicamentos

Outra situação comumente feita pelos brasileiros é o consumo de medicamentos para tentar alinhar o sono e a tranquilidade. “O problema da pessoa usar medicamento é que a pessoa muitas vezes tem uma insônia provisória, e passa a ter dependência medicamentosa, e não deve fazer uso de remédios para dormir. Mesmo que sejam os naturais, o problema disso é que muitas vezes retarda o diagnóstico de distúrbio do sono. Se você repara que seu sono não está sendo o esperado, é necessário procurar o mais breve possível um especialista do sono para não virar um problema crônico”, finaliza.

Comentários

Leia também