Programa De Olho na Cidade

30/03/2021 - 06:26

Especialisa explica benefício da Terapia Cognitivo-Comportamental

Março Mulher
Especialisa explica benefício da Terapia Cognitivo-Comportamental
As distorções cognitivas, formas distorcidas que as pessoas têm de interpretar determinadas situações do dia-a-dia, com consequências negativas para a sua vida, causando sofrimento desnecessário, estão em crescimento na sociedade atual, segundo o psicólogo Eduardo Lima. 
 
“Existem vários tipos de distorções cognitivas, podendo muitas delas manifestar-se na mesma pessoa e, embora possa acontecer em diferentes casos, é mais comum naquelas que sofrem de depressão”.
 
Ainda segundo Eduardo, a análise e a resolução destas situações podem ser feitas recorrendo a sessões de psicoterapia, nomeadamente à terapia cognitivo-comportamental (TCC). “As pessoas tem por hábito se encaixar em padrões e quando não conseguem buscam fugas, como por exemplo, deixar de comer para se enquadrar e temos como exemplo a anorexia que surge em efeito cadeia”, pontuou. 
 
O especialista diz que a TCC se tornou mais amplamente praticadas tendo como fundamentos básicos a ideia de que as cognições gerenciam as emoções e comportamentos, assim como o modo o qual nos comportamos pode afetar nossos padrões de pensamentos e emoções. 
 
O psicólogo diz perceber uma necessidade em muitas pessoas de aparecer nas redes sociais “sem defeitos” e que isso pode ser algo a ser observado e avaliado, pois existe uma busca desenfreada por um perfil padrão tanto de homens como de mulheres. 
 
“O meio social que vivemos acaba impondo padrões de beleza e valorizando a beleza ideal. Essas percepções sociais contribuem para uma constante busca do belo e perfeito em diferentes contextos sociais”, afirma.
 
Para resolver estes tipos de distorções cognitivas, explica Eduardo, é necessário se submeter a um período variável de terapia cognitivo comportamental.  “A terapia é qualidade de vida na medida em que mudar a forma de pensar possibilita mudar atitudes e abrir novas perspectivas”.


Comentários

Leia também