Programa De Olho na Cidade

18/02/2021 - 19:03

Petroleiros afirmam forte adesão em greve na Bahia, mas anunciam suspensão

Momento Sindical
Petroleiros afirmam forte adesão em greve na Bahia, mas anunciam suspensão
Foto: Alexandre Cassiano/Agência O Globo
Petroleiros da Bahia iniciaram nesta quinta-feira uma greve por tempo indeterminado, com a adesão de cerca de mil trabalhadores da Petrobras (PETR4), que se manifestaram contra a venda de refinaria no Estado e em outras localidades, informou em entrevista ao Programa De Olho na Cidade, da Rádio Sociedade News Fm (102,1), Deyvid Bacelar, representante da Federação Única dos Petroleiros (FUP).
 
"Iniciamos o movimento de uma forma forte, e tivemos uma boa notícia, no início da manhã. A diretoria da Petrobrás entrou em contato com a gente reestabelecendo a mesa de negociação que havia sido interrompida. Caso a negociação não avance, vamos retomar a greve, dessa vez em várias assembleias do brasil". Disse Deyvid. 
 
O movimento não afetou a produção da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em São Francisco do Conde (BA), que está em estágio avançado de venda para o Mubadala Capital, de acordo com a Petrobras.
 
A petroleira, no entanto, não deu mais detalhes sobre a manifestação, como por exemplo se confirmava a adesão anunciada pela federação.
 
Durante o ato realizado nessa quinta-feira (18), em frente à Refinaria Landulpho Alves, que reuniu trabalhadores e dirigentes sindicais de todo o Brasil e dos atos realizados por todos os Sindipetros do país, a direção da Petrobrás enviou notificação ao Sindipetro Bahia informando o desejo de reabrir uma mesa de negociação com a entidade sindical.
 
Diante dessa possibilidade, o sindicato decidiu pela suspensão do movimento grevista, de forma temporária, informando a decisão à categoria, pois como explicou o coordenador do Sindipetro Bahia, Jairo Batista, “para realizar uma greve legal é preciso haver um impasse negocial e diante do comunicado da Petrobras externando sua vontade de exaurir a negociação, o sindicato, aconselhado, inclusive por sua assessoria jurídica, decidiu pela suspensão da greve e retorno à mesa de negociação”. 
 
Caso não haja avanços satisfatórios nas negociações, o Sindipetro vai definir posteriormente uma nova data de início da greve, que já foi aprovada pela categoria.
 
''O  Sindipetro informa que o estado de greve está mantido e que a decisão de suspender o movimento paredista é uma tentativa de avançar na pauta de reivindicações da categoria, especialmente no que diz respeito aos trabalhadores próprios e terceirizados da  Rlam e seus terminais, que vivem um clima de insegurança e apreensão devido ao anúncio da venda da refinaria ao fundo árabe Mubadala. A entidade sindical, que é rigorosamente contra a venda da Rlam, quer garantir a manutenção dos direitos, empregos, benefícios e salários desses trabalhadores e discutir as contratações e o futuro dos atuais contratos de trabalho, do fim dos assédios aos trabalhadores e da garantia de um ambiente laboral saudável". Informou o sindicato em nota. 


Comentários

Leia também