Programa De Olho na Cidade

19/03/2020 - 09:38

Bolsa volta a despencar e dólar encosta em R$ 5,20

B3 interrompeu negócios pela sexta vez em dez dias
Economia
Bolsa volta a despencar e dólar encosta em R$ 5,20
Em mais um dia de pânico nos mercados globais, a bolsa de valores caiu pouco mais de 10% e voltou aos níveis de agosto de 2017. O dólar aproximou-se de R$ 5,20 e voltou a fechar no maior valor nominal desde a criação do real.
 
O índice Ibovespa, da B3, a bolsa de valores brasileira, fechou ontem (18) aos 66.895 pontos, com queda de 10,35%. Pela sexta vez em dez dias, a bolsa acionou o circuit breaker, mecanismo que suspende as negociações quando o índice cai mais de 10%. Das 13h18 às 13h53, a B3 ficou paralisada, mas o Ibovespa continuou a cair após a retomada da sessão.
 
O circuit breaker quase foi acionado pela segunda vez por volta das 14h. Caso o índice caísse mais de 15%, as operações seriam interrompidas por uma hora. No entanto, o Ibovespa reagiu na hora final da sessão, com a queda estabilizando-se em torno dos 10%.
 
O dólar comercial encerrou a segunda-feira vendido a R$ 5,198, com alta de R$ 0,195 (+3,9%), na maior cotação nominal desde a criação do real. A divisa começou o dia vendida em torno de R$ 5,20, mas o Banco Central (BC) interveio no mercado. O dólar foi negociado em torno de R$ 5,13, mas voltou a subir no fim da tarde. Na máxima do dia, por volta das 16h, a cotação bateu em R$ 5,24, mas desacelerou após nova atuação do BC.
 
A autoridade monetária fez um leilão de linha de US$ 2 bilhões. Nesse mecanismo, o BC vende dinheiro das reservas com compromisso de recomprá-lo meses mais tarde. Posteriormente, o BC fez mais três leilões de venda direta de dólares das reservas, num total de US$ 860 milhões. A divisa acumula alta de 29,53% em 2020.
 
Os mercados financeiros em todo o planeta enfrentam dias de nervosismo por causa da ameaça de recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

FONTE: Agência Brasil

Comentários

Leia também