Programa De Olho na Cidade

10/02/2020 - 13:26

Governo lança campanha para reduzir gravidez na adolescência; obstreta analisa

Reportagens Especiais
Governo lança campanha para reduzir gravidez na adolescência; obstreta analisa
A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, lançaram na última semana a campanha 'Tudo Tem seu Tempo', que visa a educar jovens sobre sexo e gravidez na adolescência. A ministra pede a participação e o apoio das pessoas com o uso da hashtag #TudoTemSeuTempo nas redes sociais. A ação tem como foco duas faixas etárias: de 15 a 19 anos e abaixo de 15 anos.
 
A ministra afirmou ainda que as ações contam com embasamento de estudos realizados por especialistas de diversas áreas e que são focadas nos melhores interesses dos jovens. 
 
O médico obstreta e ginecologista ouvido pelo De Olho Na Cidade, Francisco Mota, destacou que "Esta é uma campanha extremamente importante, pois ela trata sobre o retardamento da gestação na adolescência. Agora, dizer que o adolescente não vai fazer sexo é bobagem. Abstinência é contra a fisiologia humana. A camapanha deve ser focada no uso de métodos contraceptivos para se evitar doenças sexualmente transmissíves, além de que a gravidez na adolescência também traz riscos à estrutura corpórea da adolescente." Ele reforça que a campanha deve ser reforçada na educação sexual para os jovens.
 
O Governo Federal preconiza que o assunto foi muito discutido internamente e que a orientação educativa para evitar a gravidez infantil deve ser o foco da ação do governo. 
 
De acordo com nota publicada pelo ministério, a medida é tida como política complementar e faz parte de um pacote de “medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução da incidência da gravidez na adolescência”.
 
O programa faz parte da Semana Nacional de Prevenção à Gravidez Precoce, criada pelo presidente Jair Bolsonaro em janeiro de 2019. A mensagem estimula o adiamento de relações sexuais e orienta jovens a dialogar com a família e a procurar unidades de saúde antes de iniciar uma vida sexual ativa.


Comentários

Leia também