Política

‘Não vai ser um governo gastador’, diz Alckmin sobre teto de gastos

O mercado reagiu negativamente depois que o presidente eleito criticou regra do teto de gastos e questionou reforma trabalhista

16/11/2022 16h26
‘Não vai ser um governo gastador’, diz Alckmin sobre teto de gastos
FOTO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Após a reação negativa do mercado diante da possibilidade de que a administração eleita fure a regra do teto de gastos, o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) declarou nesta quarta-feira (16) que o governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não será “gastador”.

“O presidente Lula, se pegar os dois mandatos [à frente do Palácio do Planalto], teve a marca da responsabilidade fiscal. Não vai ser um governo gastador, mas precisa ter o mínimo para, de um lado, garantir proteção social, ainda mais nesse momento de crise socioeconômica, e, de outro lado, o funcionamento do Estado”, afirmou Alckmin.
“Não pode parar obra. Não há nada mais caro do que obra parada. E também ter o mínimo para investimento, porque vai ser importante na retomada do crescimento econômico. A questão da ancoragem [fiscal] vai ser debatida com mais calma. Não é nesse momento”, completou.

Na última semana, o mercado reagiu negativamente depois que Lula questionou a reforma trabalhista e criticou o teto de gastos. No dia da declaração do petista, na última quinta-feira (10), houve um salto de 4,09% do dólar. O Ibovespa, o principal índice acionário brasileiro, desabou mais de 4%.

PEC da Transição
A expectativa da equipe é que o texto da PEC da Transição seja apresentado ainda nesta quarta-feira (16). A matéria prevê alterações como a retirada do Auxílio Brasil —que voltará a se chamar Bolsa Família — do teto de gastos, o que deverá abrir um espaço de R$ 105 bilhões para outras despesas.
O texto servirá, ainda, para que Lula banque promessas feitas durante a campanha eleitoral, como a correção do salário mínimo acima da inflação e a recomposição de recursos para programas como o Farmácia Popular.

O vice-presidente eleito destacou que a matéria deverá ser bem recebida pelos parlamentares e que nenhum partido político se opõe à ideia. Os gastos, porém, devem causar aumento na dívida pública.

“A PEC trata do Bolsa Família, que ambos os candidatos [à Presidência da República] defenderam durante a campanha eleitoral. Não conheço nenhum partido que tenha se colocado contra. O que vai acontecer agora é o detalhamento e o encaminhamento para o Congresso Nacional. Eu acho que vai ser bem recebida”, informou.

*R7

Comentários

Leia também

Política
PEC que perdoa dívidas de partidos políticos é aprovada na Câmara

PEC que perdoa dívidas de partidos políticos é aprovada na Câmara

Segundo estimativa da ONG da Transparência Partidária, o montante total das multas pode...
Política
“Temos que tirar Feira do isolamento, especialmente interno”, afirma Zé Neto

“Temos que tirar Feira do isolamento, especialmente interno”, afirma Zé Neto

Confrontado com críticas sobre as alianças com o estado e a União, que, segundo adversários,...
Política
Prisões de funcionários da Abin são realizadas mesmo com oposição da Procuradoria Geral da República

Prisões de funcionários da Abin são realizadas mesmo com oposição da Procuradoria Geral da República

Procuradoria Geral da República alega que medidas alternativas seriam suficientes para...