Feira de Santana

Micareta de Feira: Conheça a história por trás dos festejos

Inicialmente os festejos eram chamados de “Micareme”

20/04/2023 15h33
Micareta de Feira: Conheça a história por trás dos festejos
Foto: Luis Troina

Suspensa por dois anos devido a pandemia da Covid-19, a Micareta de Feira retorna nesta quinta-feira (20), trazendo atrações como Ivete Sangalo, Léo Santana, Claudia Leitte, Thiago Aquino, dentre outras. Sendo considerada a maior Micareta do Brasil, a trajetória do festejo começa em 1937.

“Feira tinha um carnaval muito animado, mas em 1937 fortes temporais atacaram a cidade, e impossibilitando a realização dos festejos carnavalescos. Por isso, o prefeito da época, Heráclito Dias de Carvalho, decidiu transferir a data os festejos, mas, ressalte-se, sem determinar o dia, porque logo após o carnaval, vem o período da quaresma”, explicou o presidente da Academia Feirense de  Letras, Eduardo Kruschewsky, em entrevista ao De Olho na Cidade.

Naquele ano, com a festa marcada para o Domingo de Páscoa, foi criada uma comissão organizadora liderada pelo coletor estadual  Manoel da Costa Ferreira, e representantes da do setor artístico e do comércio. Inicialmente, o festejos foi chamado de “Micareme”.

Na primeira Micareta da cidade, participaram do evento três blocos: “A Flor do Carnaval”, “Filhos do Sol”, “As Melindrosas” e mais o convidado “Cruz Vermelha”, vindo de Salvador.

O evento, então, foi alterado e passou a ser realizado quinze dias após a Semana Santa e sua fama cresceu, principalmente em Salvador, passando a chamar-se “Micareta”.

Porém, a mudança foi bem aceita pelo povo  e o evento passou a ser realizado quinze dias após a Semana Santa e sua fama cresceu, principalmente em Salvador, passando a chamar-se “Micareta”.

As primeiras entidades afros, os famosos afoxés e blocos de índios,   além de escolas de samba surgiram na década de 40, entre elas “Acadêmicos da Feira”, “Mocidade Feirense” e “Malandros do Morro”, esta última criada por Oscar Marques, o “Oscar Tabaréu”, comerciante, dono do “Cassino Irajá” e, mais tarde, deputado estadual. 

Em 1954, com o estrondoso sucesso que fazia o trio elétrico Dodô    & Osmar, em Salvador, criado três anos antes, em 1951, o coordenador Oscar Tabaréu resolveu trazer a famosa “fobica” para a Feira de Santana. Foi este o primeiro trio elétrico a apresentar-se na folia feirense.

A festa cresceu e, na presidência de Osvaldo Franco (Ioió Goleiro) foi transferida para a Avenida Senhor dos Passos, expandindo-se pela Praça João Pedreira e Avenida Getúlio Vargas, ocupando os dois lados da avenida. Alcançando fama nacional, a Princesa do Sertão passou a receber turistas de todo o país. 

Mais tarde, na gestão de José Raimundo de Azevedo, a festa foi ampliada, estendendo- se pela Avenida Getúlio Vargas e permanecendo parte na Avenida Senhor dos Passos. Finalmente, em 2000, por iniciativa do secretário  Professor José Raimundo e do prefeito Clailton Mascarenhas, com a aprovação popular, a Avenida Presidente  Dutra foi transformada  no palco ideal para a grande festa.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Médicos da IGM cancelam restrição de atendimentos em Feira de Santana

Médicos da IGM cancelam restrição de atendimentos em Feira de Santana

Uma nova assembleia, nesta sexta (12), suspendeu definitivamente a restrição
Feira de Santana
Carlos Geílson volta à política local: “sempre estamos aptos a recomeçar”

Carlos Geílson volta à política local: “sempre estamos aptos a recomeçar”

O ex-parlamentar em contato com a reportagem do De Olho na Cidade, afirmou: “está confirmada,...
Feira de Santana
Projeto realiza castração solidária em Feira; saiba como ajudar

Projeto realiza castração solidária em Feira; saiba como ajudar

Para mais informações acesse o Instagram: @castradez.