Economia

Mesmo sob pressão, Banco Central deve manter Selic em 13,75%

Governo federal, empresários e centrais sindicais contestam nível atual dos juros básicos

21/03/2023 16h53
Mesmo sob pressão, Banco Central deve manter Selic em 13,75%
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Sob pressão de autoridades federais, empresários e, nesta terça-feira (21), alvo de manifestações de centrais sindicais, o Comitê de Política Monetária deve manter a taxa Selic em 13,75%. A reunião dos diretores do Banco Central começa nesta terça-feira (21) e terá seu desfecho, com a divulgação da nova taxa, no começo da noite da quarta (22). A Selic está em 13,75% desde agosto do ano passado.

Analistas do mercado financeiro, ouvidos pelo BC por meio do Boletim Focus, projetam os juros básicos de 12,75% no final deste ano. Mas na edição da segunda (20), os economistas indicaram na publicação acreditar que o ciclo de cortes não começará agora.

Durante evento do BNDES, o presidente da Fiesp, Josué Gomes da Silva, chamou os juros brasileiros de pornográficos, rebatendo a tese de que a situação fiscal justificaria o aumento da taxa. Para o empresário, as reservas internacionais e o caixa do Tesouro Nacional garantem ao país condições para arcar com a dívida pública.

De sua parte, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, vem defendendo a autonomia da autoridade monetária na definição da política monetária e sustentou que esta atuação e uma política fiscal de longo prazo são importantes para ter um crescimento econômico sustentável.

Campos Neto não sinaliza uma mudança de ponto de vista por parte do BC. Para 2023, a meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC é de 3,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima (4,75%) ou para baixo (1,75%). O BC estima que o IPCA terminará o ano em 5%, o que se configuraria no terceiro ano seguido de estouro da meta. Os juros mais altos é a ferramenta mais habitual para conter a pressão sobre os preços.

Em entrevista à TV 247 nesta terça, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, reiterou as críticas contra a atual Selic. “Só quem concorda com os juros altos é o sistema financeiro, que sobrevive disso e ganha muito dinheiro com as especulações”, disse. “Nós ainda temos 33 milhões de pessoas passando fome, nós temos desemprego crescendo, a massa salarial caindo… Então, não há nenhuma razão, nenhuma explicação, nenhuma lógica”.

Durante o dia, as centrais sindicais fazem protesto, em alguns casos na frente de sedes do BC. Uma delas ocorreu na Avenida Paulista, em São Paulo. “A intenção é mostrar que os juros altos engordam os tubarões rentistas, enquanto, para o povo, só sobra sardinha”, explicou, em nota, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres.

*Com informações da Agência Brasil e do site Metrópoles.

*Por: Bahia.ba

Comentários

Leia também

Economia
51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

Esses indivíduos que desconhecem seus próprios débitos têm 206 milhões de ofertas...
Economia
Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Segundo o ministro Fernando Haddad, governo precisa de projeto aprovado antes do recesso ...
Economia
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Dados protegidos pelo sigilo bancário não foram expostos