Educação

MEC aprova regra que altera cursos de formação para professores

Licenciaturas precisam oferecer agora 50% de sua carga horária presencial

01/06/2024 16h32
MEC aprova regra que altera cursos de formação para professores
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) homologou na última segunda-feira, 27, por meio do Diário Oficial da União, o parecer do Conselho Nacional da Educação (CNE) que define que os cursos de formação para professores, como as licenciaturas, terão de ser oferecidos com 50% da sua carga horária presencial. A educação a distância (EAD) para formar docentes no País tem crescido nos últimos anos, com questionamentos de especialistas sobre a qualidade.

Segundo matéria do Estadão, apesar dos pedidos de mudança, o parecer e a resolução que o acompanha foram mantidos na íntegra. O Ministro da Educação, Camilo Santana, vinha se posicionando contra os cursos não presenciais, especialmente na formação de professores, desde o ano passado, e disse que os que são 100% EAD tinham de acabar.

Intitulado Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial em Nível Superior de Profissional do Magistério da Educação Escolar Básica, o documento atualiza outras normativas, de 2019 e de 2015, sobre formação de professores para que eles “consigam enfrentar as demandas e desafios da educação contemporânea”, segundo o texto. Na parte destinada à estrutura curricular, a resolução diz que a formação deve ser preferencialmente feita de forma presencial.

Ao detalhar a carga horária do currículo da formação inicial de professores, de 3,2 mil horas no total, diz que:

-As 880 horas para formação geral podem ser feitas de forma presencial ou a distância;
-Das 1,6 mil horas destinadas ao aperfeiçoamento específico na área em que o professor vai ensinar, 880 horas precisam ser presenciais pelo menos (720 horas poderiam em EAD);
-As 400 horas destinadas a estágios devem ser presenciais;
-As 320 horas destinadas a atividades de extensão em escolas devem ser presenciais.

O total, somadas as horas, é de 3,2 mil, com a possibilidade 1,6 mil delas serem oferecidas em EAD, ou seja, 50%. Até então, não havia regras claras e efetivas sobre isso na formação de professores. Em matéria ao Estadão, o presidente do CNE, Luiz Curi, disse que elogia homologação por se “tratar de uma política pública estratégica para o Brasil”.

Crescimento de 700%

Desde os anos 2000, os cursos EAD tem crescido exponencialmente, o ritmo de criação de novos cursos aumentou a partir de 2018, impulsionado pelo decreto do presidente Michel Temer (MDB) no ano anterior. A norma flexibilizou a abertura de polos de educação a distância. O total de graduações aumentou 700% entre 2012 e 2022, segundo dados do ministério. o Todos pela Educação, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), o conselho de secretários estaduais da educação (Consed) e outras organizações pediram medidas urgentes na regulação da educação a distância para a formação de professores. Em dezembro, o MEC publicou portaria que suspendeu os processos de autorização de novos cursos à distância de 17 áreas, entre elas Direito, Medicina e todas as licenciaturas.

Críticas

Uma carta, protocolada pela Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), e enviada ao ministro e ao CNE, pedia que a resolução fosse revista. A entidade dizia que haveria redução drástica “de professores formados no Brasil nos próximos anos”. Para o presidente da Abed, João Mattar, a educação a distância é essencial em regiões remotas e rurais, e para alunos pobres.

“50% é inviável do ponto de vista de logística porque os polos de atividades presenciais são pequenos, atendem poucos alunos”, afirma. O perfil dos estudantes – que trabalham e de origem mais vulnerável – também é outro obstáculo.

Segundo ele, a criação de politicas para melhor supervisão e avaliação das graduações deveriam ser prioridades para o MEC, em vez de proibi-las “O fato de ter cursos de baixa qualidade não pode fazer com que se termine com todos eles”. O secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Vahan Agopyan, também afirmou ao Estadão que não era possível se adaptar à nova norma. “Não tem condições de oferecer 50% presencial”, disse, sobre os cursos da Univesp, criada em 2012 pelo Estado, e que formou em 2023 cerca de 5 mil professores. Atualmente, a Univesp tem 65 mil alunos e 25 mil deles em cursos que formam para docência, como Pedagogia, licenciaturas em Letras e em Matemática.

*Com informações Bahia.ba

Comentários

Leia também

Educação
Finep realiza evento na Universidade Estadual de Feira de Santana para oportunizar financiamentos

Finep realiza evento na Universidade Estadual de Feira de Santana para oportunizar financiamentos

A iniciativa, alusiva aos 57 anos da Finep, tem acontecido em diversos estados com propostas...
Educação
Escolas estaduais realizam avaliação de Língua Portuguesa e Matemática com foco na melhoria da aprendizagem

Escolas estaduais realizam avaliação de Língua Portuguesa e Matemática com foco na melhoria da aprendizagem

A ação permite o acompanhamento da gestão da aprendizagem dos estudantes do 9º ano...
Educação
Fórum debate melhorias dos indicadores educacionais em escolas públicas baianas

Fórum debate melhorias dos indicadores educacionais em escolas públicas baianas

Governador esteve presente na abertura do evento que reúne dirigentes, conselheiros e...