Política

Julgamento de Moro tem placar de 4 a 2 contra cassação; senador deve continuar no cargo

Até o momento, seis dos sete desembargadores da Corte votaram; PT e PL ainda podem recorrer à Justiça

10/04/2024 07h05
Julgamento de Moro tem placar de 4 a 2 contra cassação; senador deve continuar no cargo
Foto: Reprodução/GloboNews

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) retomou, nesta terça-feira (9), o julgamento do senador Sergio Moro (União Brasil-PR). A sessão começou com placar de 3 a 1 contra a cassação do ex-juiz. Até o momento, o placar subiu para 4 a 2 a favor do senador, restando apenas o voto do desembargador Sigurd Roberto Bengtsson, presidente da Corte. De qualquer forma, o resultado a favor do senador já está garantido.

O processo deve ser encerrado ainda hoje. Após o resultado, o PT e PL, autores dos pedidos de cassação de Moro, podem recorrer ao tribunal em Brasília contra a cassação. Até lá, o senador poderá seguir normalmente no cargo.

Seis dos sete desembargadores da Corte votaram. Luciano Falavinha, relator do caso, foi o primeiro a votar a favor, em seguida foi acompanhado por Claudia Cristofani, Guilherme Denz e Anderson Ricardo Fogaça. Contra Moro, votaram José Rodrigo Sade e Julio Jacob Junio. Os partidos acusam o Moro Caixa Dois, abuso de poder econômico e uso indevido de meios de comunicação ao longo da campanha eleitoral de 2022.

*Com informações Metro 1

Comentários

Leia também

Política
Votação do PL da desoneração vai para junho após impasses sobre municípios

Votação do PL da desoneração vai para junho após impasses sobre municípios

O debate entre o governo e as prefeituras é sobre as alíquotas da reoneração gradual...
Política
Comitê da Petrobras dá aval a indicação do nome de Magda Chambriard 

Comitê da Petrobras dá aval a indicação do nome de Magda Chambriard 

Nomeação depende de aval do Conselho de Administração. Se confirmada, Magda substituirá...
Política
Senado aprova projeto que renova cotas raciais em concursos públicos

Senado aprova projeto que renova cotas raciais em concursos públicos

Texto precisa ser aprovado pelos deputados federais até junho