Economia

Inflação desacelera em novembro em todas as faixas de renda, diz Ipea

Alimentos e bebidas pressionam preços nas seis categorias de renda

14/12/2022 16h33
Inflação desacelera em novembro em todas as faixas de renda, diz Ipea
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado hoje (14), mostra que a inflação de novembro ficou abaixo da registrada em outubro para todas as faixas de renda. Os dados mostram que as maiores pressões inflacionárias foram provocadas por três grupos: alimentos e bebidas, transportes e habitação.

O Indicador Ipea de Inflação por faixa de renda é divulgado mensalmente. O levantamento considera seis categorias de renda domiciliar: muito baixa (menor que R$ 1.726,01), baixa (entre R$ 1.726,01 e R$ 2.589,02), média-baixa (entre R$ 2.589,02 e R$ 4.315,04), média (entre R$ 4.315,04 e R$ 8.630,07), média-alta (entre R$ 8.630,07 e R$ 17.260,14) e alta (maior que R$ 17.260,14).

Em novembro, as menores variações foram registradas para as famílias de renda alta (0,27%) e de renda muito baixa (0,33%). Em outubro, nas mesmas faixas, a inflação havia sido respectivamente de 1,14% e 0,51%.

Já as maiores variações foram observadas nas classes de renda média-alta (0,49%) e de renda média (0,46%). No entanto, mesmo nessas faixas, a inflação foi maior no mês de outubro, registrando respectivamente 0,64% e 0,61%.

No acumulado do ano, a menor variação é de 4,87% para as famílias de renda média-baixa. Já a maior, de 6,27%, foi observada para as famílias de renda alta. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e usado como índice oficial da inflação no país, registra uma variação de 5,13% desde o início do ano.

Alimentos e bebidas
No mês de novembro, os alimentos e bebidas pressionaram a inflação para todas as seis categorias. Além disso, com o reajuste dos aluguéis e das tarifas de energia elétrica, a habitação teve significativa influência na variação para as famílias de renda muito baixa. Para as quatro faixas de renda intermediárias, houve impacto do custo do transporte, que está associado à alta dos combustíveis. Já as famílias de renda mais alta foram pressionados pelos preços relacionados à saúde, envolvendo sobretudo aumentos nas mensalidades dos planos.

O levantamento também mostra que, entre os alimentos e bebidas, as altas mais relevantes foram registradas entre tubérculos (10,1%), cereais (0,97%), frutas (2,9%), farináceos (1,1%) e panificados (0,73%). De outro lado, houve queda nos preços dos leites e derivados (-3,3%) e das aves e ovos (-0,51%).

*Agência Brasil

Comentários

Leia também

Economia
Perdeu o prazo de declaração do IR 24? Saiba o que fazer

Perdeu o prazo de declaração do IR 24? Saiba o que fazer

Novo prazo para envio de documento começa nesta segunda (3)
Economia
Prazo final para declaração do Imposto de Renda encerra nesta sexta (31)

Prazo final para declaração do Imposto de Renda encerra nesta sexta (31)

Quem deixar para o último dia e tiver imposto a pagar deve atentar, também, para o horário...
Economia
Mais de 5 milhões de contribuintes ainda não declararam o Imposto de Renda 2024

Mais de 5 milhões de contribuintes ainda não declararam o Imposto de Renda 2024

O contribuinte fica sujeito ao pagamento de uma multa mínima de R$ 165,74, válida para...