Feira de Santana

Especialista afirma que homens resistem mais na hora de cuidar da saúde mental

A taxa de suicídio é maior entre homens. Fatores sociais e culturais podem estar relacionados.

30/11/2022 12h06
Especialista afirma que homens resistem mais na hora de cuidar da saúde mental
Foto: Pixabay

Segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade por suicídio entre homens é de 9,2 para cada 100 mil, número quase quatro vezes maior do que o registrado entre mulheres. Os dados abrem um alerta sobre o bem estar mental do público masculino.

O psicologo Dr. Rodrigo Santtos, comprova os resultados das pesquisas ao relatar que nos consultórios é muito mais frequente ver as mulheres indo atrás de ajuda. Diversos fatores levam a esses resultados, o contexto social é um deles.

“Tem uma série de alterações hormonais, sociais e psíquicas que levam as mulheres a terem uma frequência maior de transtornos mentais comuns. Mas os homens oferecem uma resistência muito grande a buscar ajuda, por diversos fatores, como o social e o cultural, a questão da masculinidade tóxica”, explica o doutor.

Além da taxa de suicidio superior a das mulheres, o público masculino também é maioria em problemas com bebidas alcoólicas e uso de drogas. Uma dissertação produzida pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e Universidade de São Paulo, estimou que o alcoolismo afeta cerca de 5% das mulheres e 15% dos homens (confira).

O comportamento masculino de restrição e o ato de evitar falar sobre questões emocionais pode ser influenciado desde a infância, moldando a masculinidade tóxica que traz consequências para a vida adulta.

“O homem é criado desde sempre a resolver as coisas de uma forma meio agressiva ou violenta, e essa é a tendência dos homens, a resolver as coisas de maneira mais incisiva, diferentes das mulheres, que tem uma habilidade de argumentação mais adequada. Desde a infância tem muitas questões de comportamento que reforçam essa masculinidade tóxica, como evitar que aquele menino utilize coisas ‘de menina’, uma roupa rosa por exemplo, reforça os aspectos que o feminino é algo frágil, consequentemente reforçando essa masculinidade tóxica.”

Alguns sintomas indicam que é hora de ir buscar ajuda, a irritabilidade e agressividade são dois dos principais, influenciados pela testosterona. Problemas com sono também são indicativos, sendo necessário avaliações minuciosas.

O profissional também alerta sobre a necessidade de ser aberto ao diálogo e desabafar sobre suas necessidades. Falar sobre suas problemáticas não indica fragilidade, mas sim cuidado com a saúde.

“Aquele homem que chora, que se permite ser frágil, que fala de suas emoções não é bem visto socialmente . O homem precisa ser o provedor, aquele que não chora, que é forte, que dar suporte a todo mundo, mas no fundo também existe uma pessoa vulnerável que precisa de ajuda e acolhimento. Por conta de questões machistas, o homem não vai em busca de ajuda. Um homem não vai ao ‘baba’ no fim de semana e conversa sobre suas dificuldades com colegas. E essa não é a melhor forma de resolver os problemas”.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Problemas enfrentados pela advocacia de Feira de Santana no Conjunto Penal são tema de reunião

Problemas enfrentados pela advocacia de Feira de Santana no Conjunto Penal são tema de reunião

Na oportunidade, tanto o secretário quanto o seu chefe de gabinete, ficaram de dar, até...
Feira de Santana
Mutirões agilizam as demandas para atualização e inclusão de beneficiários no CadÚnico

Mutirões agilizam as demandas para atualização e inclusão de beneficiários no CadÚnico

Comunidade tem acesso facilitado a serviços da assistência social
Feira de Santana
Sindicato dos Metalúrgicos de Feira de Santana participa de marcha em Brasília

Sindicato dos Metalúrgicos de Feira de Santana participa de marcha em Brasília

A mobilização busca chamar a atenção para as demandas dos trabalhadores