Política

Governo adia por três meses portaria sobre trabalho aos feriados

Ministério do Trabalho e setores não chegaram a acordo

28/02/2024 10h08
Governo adia por três meses portaria sobre trabalho aos feriados
Foto: Bruna Saniele/ Agência Brasil

Sem acordo entre o governo, trabalhadores e patrões, o Ministério do Trabalho e Emprego adiou por 3 meses a publicação da portaria que restringe o trabalho no comércio aos feriados para os trabalhadores com convenção coletiva. As novas regras, que entrariam em vigor em 1º de março, ficará para junho.

Em nota, o Ministério do Trabalho e Emprego informou que a decisão foi tomada em reunião entre o ministro Luiz Marinho; o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha; representantes das centrais sindicais e das frentes parlamentares do Comércio e Serviços e do Empreendedorismo.

“Nós temos certeza de que as partes chegarão a um texto que contemplará o funcionamento do nosso comércio na sua plenitude, respeitando sempre o direito às negociações, o direito dos empregados e protegendo cada trabalhador”, destacou Luiz Marinho no comunicado.

No fim de janeiro, Marinho havia dito que cerca de 200 atividades consideradas essenciais ficariam de fora da norma e não precisariam de convenção coletiva para trabalharem aos feriados.

Em novembro, o Ministério do Trabalho publicou a portaria que obrigava a convenção coletiva para o trabalho aos feriados a todos os setores do comércio. Uma semana mais tarde, o texto foi revogado, após a Câmara dos Deputados ameaçar aprovar um decreto legislativo cancelando a portaria.

*Com informações Agência Brasil

Comentários

Leia também

Política
Alba aprova pagamento da 3ª parcela dos precatórios e criação de vagas para DPT

Alba aprova pagamento da 3ª parcela dos precatórios e criação de vagas para DPT

Projetos, de autoria do Executivo, foram aprovados de forma unânime pelos deputados estaduais ...
Política
Cármen Lúcia é eleita presidente do TSE e assume em junho na vaga de Moraes

Cármen Lúcia é eleita presidente do TSE e assume em junho na vaga de Moraes

Esta será segunda vez de Cármen como presidente da corte
Política
“O governo do estado não tem dado respostas adequadas para enfrentar a situação”, afirma Pablo Roberto sobre dados da violência

“O governo do estado não tem dado respostas adequadas para enfrentar a situação”, afirma Pablo Roberto sobre dados da violência

O deputado enfatiza o papel crucial da Comissão de Segurança na Assembleia Legislativa...