Feira de Santana

Feira de Santana terá protesto em defesa da democracia, por eleições livres

Conforme a pesquisa, o número de domicílios com pessoas passando fome saltou de 19,1 milhões, em 2020, para 33,1 milhões, no ano de 2021.

10/08/2022 16h43
Feira de Santana terá protesto em defesa da democracia, por eleições livres

Nesta quinta-feira (11), diversos setores da sociedade irão às ruas contra a escalada autoritária do governo Bolsonaro. Centenas de atos públicos ocorrerão nas cinco regiões do país para marcar o Dia Nacional de Mobilização Fora Bolsonaro: em defesa da democracia e por eleições livres, direitos sociais, contra a violência, o desemprego e a fome. Em Feira de Santana, a manifestação acontecerá às 16h, em frente à Prefeitura Municipal. A diretoria da Associação dos Docentes da Universidade Estadual de Feira de Santana (Adufs), em unidade com entidades sindicais, movimentos estudantis, sociais, populares e partidos políticos, estará presente.

A proposta da manifestação é desarticular a intenção do presidente de deslegitimar o sistema eleitoral brasileiro e as instituições do país, como ocorreu em julho deste ano, quando reuniu embaixadores no Palácio da Alvorada, em Brasília, para novamente levantar suspeitas infundadas sobre a segurança do processo eleitoral de 2022. Na ocasião, o gestor ainda criticou as decisões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e sinalizou sobre possíveis fraudes ao voto eletrônico, mas sem apresentar provas sobre as declarações contra as urnas. Bolsonaro também estimula seus apoiadores a atacarem as instituições e a democracia em atos do 7 de setembro.

Além das ameaças, os manifestantes também lutam contra a violência política e a crise político-econômica e social que relega à maioria da população a fome e o desemprego. Um levantamento da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), divulgada este ano, mostra que a continuidade do desmonte de políticas públicas, o aumento das desigualdades sociais e o segundo ano da pandemia da Covid-19 tornou a insegurança alimentar ainda mais presente entre as famílias brasileiras. Conforme a pesquisa, o número de domicílios com pessoas passando fome saltou de 19,1 milhões, em 2020, para 33,1 milhões, no ano de 2021. Ao mesmo tempo, a renda média do trabalhador caiu 5,1% em 12 meses. No mesmo período, o preço da cesta básica aumentou até 26,46%.

A política do governo Bolsonaro também impôs reflexos desastrosos à saúde e à educação, ataca direitos sociais, desmonta os serviços públicos e precariza as condições de vida das trabalhadoras e trabalhadores. Os constantes cortes nos recursos da Educação, por exemplo, podem inviabilizar o funcionamento de instituições federais de ensino, como é o caso de 17 universidades, que correm o risco de ter de parar as atividades a partir de setembro.

Para os manifestantes, somente a população, nas ruas, será capaz de reverter os ataques em curso e garantir a melhoria das condições de vida das (os) trabalhadoras (es). Em Feira de Santana, o protesto está sendo organizado pelo Movimento Juntos pelo Brasil Contra o Fascismo em Feira de Santana. A diretoria da Adufs compõe o grupo e participa ativamente da construção e da realização das mobilizações por ele organizadas.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Governo Rui e municípios da Bahia recebem R$ 94 mi em subsídios para o transporte

Governo Rui e municípios da Bahia recebem R$ 94 mi em subsídios para o transporte

Os contemplados fazem parte de uma lista de 557 entes de todo o país que apresentaram...
Feira de Santana
46 pacientes aguardam regulação em Feira de Santana

46 pacientes aguardam regulação em Feira de Santana

Os pacientes estão distribuídos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e policlínicas...
Feira de Santana
Brasil adquire 49 mil vacinas contra a varíola dos macacos

Brasil adquire 49 mil vacinas contra a varíola dos macacos

O país contabilizou, até o último dia 31 de agosto, 5.037 casos confirmados e 5.391...