Feira de Santana

Especialista comenta fim da saída temporária de presos em feriados e datas comemorativas

A decisão do Congresso Nacional marca um ponto significativo no debate sobre o sistema penal brasileiro e a política de ressocialização de presos.

30/05/2024 16h24
Especialista comenta fim da saída temporária de presos em feriados e datas comemorativas
Imagem: Reprodução

Em uma decisão controversa, o Congresso Nacional aprovou, no dia 28 deste mês, o fim das saídas temporárias de presos em feriados e datas comemorativas, como o Dia das Mães e o Natal. Esta medida põe fim a um benefício previsto na Lei de Execução Penal (LEP), Lei 7.210 de 1984, em seus artigos 122 a 125. O advogado criminalista Tássio Santos explicou os impactos e as implicações dessa mudança.

“A saída temporária é um direito previsto na lei de execuções penais nos artigos 122 a 125. Esse benefício é concedido a pessoas privadas de liberdade que se encontram no regime semiaberto e que não foram condenadas por crimes violentos que resultaram em morte. Esta última regra passou a vigorar a partir de 2019”, afirmou. “Cada pessoa pode deixar a unidade prisional cinco vezes ao ano por no máximo sete dias. Durante esse período, algumas regras devem ser respeitadas. Esse benefício é organizado pelo Estado por uma questão de política criminal, e geralmente essas datas são predefinidas e costumam cair em feriados ou datas comemorativas.”

A medida aprovada pelo Congresso tem como base o Projeto de Lei 2.253 de 2022. Segundo os relatores do projeto, o objetivo é reduzir a criminalidade no país, uma vez que alguns crimes eram frequentemente cometidos por presos durante suas saídas temporárias. A decisão de acabar com as saídas temporárias foi tomada pelo Congresso em uma sessão que derrubou o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que havia restaurado a possibilidade dessas saídas para visitas familiares e participação em atividades de reintegração social.

Contudo, essa mudança não foi bem recebida por todos os especialistas. “A aprovação pelo Congresso Nacional esvazia a ‘saidinha’ e deixa lacunas que vão aumentar o poder discricionário dos juízes. Eles poderão seguir jurisprudências consolidadas ou julgar por analogia”, destacou o advogado. “Falando do impacto dessa proibição, muitos especialistas entendem que essa aprovação fere a dignidade da pessoa humana, prevista na Constituição, ao impedir que os presos visitem seus familiares. Além disso, essa medida contraria a própria função da LEP e da progressão de regime, que é a ressocialização do preso e sua reintegração à sociedade.”

A decisão do Congresso Nacional marca um ponto significativo no debate sobre o sistema penal brasileiro e a política de ressocialização de presos.

*Com informações do repórter Robson Nascimento

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Zé Ronaldo se reúne com Targino Machado nesta quarta-feira (24)

Zé Ronaldo se reúne com Targino Machado nesta quarta-feira (24)

Após a reunião, o ex-deputado informou uma coletiva de imprensa na Casa Fornari, na próxima...
Feira de Santana
Confira os ganhadores da Campanha Super Prêmios 2024

Confira os ganhadores da Campanha Super Prêmios 2024

Ao todo, foram distribuídos aproximadamente 1,060 milhão de cupons, gerando uma movimentação...