Educação

CME: Presidente alerta para espaços educacionais não-autorizados

Presidido por Karina Macêdo, o CME atua no processo de democratização do ensino

28/08/2022 14h30
CME: Presidente alerta para espaços educacionais não-autorizados
Foto: Sara Silva/Prefeitura Municipal de Feira de Santana

Estruturado a partir de um processo de democratização do ensino, o Conselho Municipal de Educação de Feira (CME). Em entrevista do De Olho na Cidade, a presidente do CME, Karina Macêdo, explicou que o conselho contribui para o desenvolvimento do campo educacional.

O Conselho surgiu nos anos 90, a partir da lei orgânica da cidade, para criar mais autonomia às decisões municipais. O CME atende a todas as escolas, tanto do sistema público, quanto do sistema privado.

“Feira tem um problema, no que tange a educação infantil. Ainda se tem uma concepção errônea do que é a educação infantil, nunca perspectiva ainda assistencialista, e não se tomou conta da importância que é essa primeira etapa da educação básica”, afirma Karina.

A emenda constitucional 059/2009 que traz a obrigatoriedade da matrícula de crianças de quatro e cinco anos na escola. Para que um espaço educacional seja reconhecido, é necessário haver autorização do CME.

“Temos vivido em Feira um processo de abertura de espaços pedagógicos de forma aleatória, o que tem causado uma irregularidade desses locais na cidade”.

Diante dessas irregularidades, a gestão do Conselho tem implementado ações efetivas para coibir essas práticas. Os representantes educacionais que pretendem montar um espaço escolar precisam entrar em contato com o CME, para que seja realizada a autorização.

“Possuímos uma resolução própria que foi atualizada em dezembro de 2021, que vai servir como ordenamento jurídico para autorização desses espaços”, pontua.

O Conselho é diversificado, formado por 11 representantes e 13 conselheiros. Com representação da Secretaria de Educação, dos professores, especialistas em educação, da APLB – Sindicato, do NTE-19 (antiga Direc), escolas privadas, gestores escolares, estudantes, responsáveis,  e instituições de ensino superior.

Todo mês é realizada uma reunião com os membros, dependendo das demandas, podem surgir outras. A comunidade estudantil pode participar como ouvinte, ou pode solicitar formalmente fará parte das discussões.

Comentários

Leia também

Educação
Estado sanciona lei que amplia oferta de cursos do Ensino Superior para educadores e trabalhadores da Educação

Estado sanciona lei que amplia oferta de cursos do Ensino Superior para educadores e trabalhadores da Educação

As unidades educacionais são voltadas para o desenvolvimento da modalidade de Educação...
Educação
Prefeitura discute acolhimento e educação para crianças de famílias imigrantes
Educação
Governo da Bahia e UFRB assinam acordo para criação de espaço referência em tecnologia assistiva e acessibilidade

Governo da Bahia e UFRB assinam acordo para criação de espaço referência em tecnologia assistiva e acessibilidade

Dentre as propostas do Ertaa estão cursos de capacitação para professores, estudantes...