Economia

Economista analisa impacto do aumento do dólar na economia brasileira

o professor Antônio Rosevaldo destacou a complexidade da economia e a necessidade de políticas bem calibradas para minimizar os impactos negativos da alta do dólar na inflação e no dia a dia dos brasileiros.

05/07/2024 06h34
Economista analisa impacto do aumento do dólar na economia brasileira
Foto: Bigstock

Em entrevista ao De Olho na Cidade, o economista e professor Antônio Rosevaldo discorreu sobre as implicações da alta do dólar no mercado brasileiro, destacando a complexidade desse fenômeno e suas repercussões na economia do país.

O professor Rosevaldo explicou que a recente alta do dólar gerou tensões no mercado, embora tenha ocorrido um alívio após a reunião do presidente Lula com a equipe econômica.

“A primeira coisa a se entender é que os juros americanos estão num patamar elevado. Isso faz com que o dólar se valorize globalmente, desvalorizando a moeda brasileira”, afirmou.

Ele destacou que, além dos juros americanos, há componentes internos que influenciam o câmbio.

“As falas do presidente criticando o Banco Central têm um grande impacto, assim como as empresas brasileiras que, no final do trimestre, buscam dólares para pagar suas importações, aumentando a demanda pela moeda.”

O professor elucidou o papel do Banco Central na estabilização do câmbio. “O Banco Central trabalha estabelecendo um valor mínimo e máximo para o dólar. Quando a moeda sobe muito, o Banco Central intervém vendendo dólares a preços mais baixos, o que aconteceu recentemente”, explicou.

Segundo ele, essas intervenções são cruciais para evitar que a alta do dólar prejudique ainda mais a economia. “Se o dólar cai muito, prejudica os exportadores, que precisam de um dólar mais alto para ganhar mais reais com suas exportações”, observou.

O professor destacou a complexidade da política econômica, que envolve tanto a política monetária, gerida pelo Banco Central, quanto a política fiscal, sob controle do governo.

“O governo tem que equilibrar a política fiscal, que envolve tributação e despesas sociais, com a política monetária, que regula o dinheiro em circulação”, explicou Rosevaldo.

Ele ressaltou a dificuldade do governo em controlar a economia sem influenciar a política monetária. “O Banco Central autônomo é dominado pelo mercado financeiro, que muitas vezes não tem os mesmos interesses que o governo”, afirmou.

Rosevaldo também discutiu como a alta do dólar afeta a inflação e o custo de vida dos brasileiros. “A inflação de custos, como a que estamos discutindo, ocorre quando os preços dos insumos importados sobem devido ao dólar alto. Isso faz com que produtos básicos, como o pão, fiquem mais caros”, disse.

Ele alertou sobre a dificuldade do cidadão comum em investir no mercado de câmbio. “Dólar é lugar de cachorro grande, de tubarão. Se você não tem muita informação e experiência, não entre nesse jogo”, aconselhou.

Apesar dos desafios atuais, Rosevaldo vê oportunidades para investidores mais pacientes. “Quem quer ganhar dinheiro deve considerar a compra de pesos argentinos. A economia argentina pode se recuperar, mas é preciso saber esperar e ler bem o mercado”, sugeriu.

Comentários

Leia também

Economia
51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

Esses indivíduos que desconhecem seus próprios débitos têm 206 milhões de ofertas...
Economia
Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Segundo o ministro Fernando Haddad, governo precisa de projeto aprovado antes do recesso ...
Economia
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Dados protegidos pelo sigilo bancário não foram expostos