Mundo

Descoberto na Groenlândia, DNA mais antigo do mundo tem 2 milhões de anos

DNA encontrado no norte da Groenlândia bate recorde em 1 milhão de anos e pode ajudar a evitar a extinção de espécies animais, plantas e árvores pelo aquecimento global

12/12/2022 13h15
Descoberto na Groenlândia, DNA mais antigo do mundo tem 2 milhões de anos
Foto: Pixabay/Pexels

DNA de 2 milhões de anos atrás, o mais antigo já extraído, foi obtido em sedimentos da era glacial na Groenlândia, uma descoberta que abre um novo capítulo para a paleogenética, anunciaram cientistas nesta quarta-feira, 7.
“O DNA foi capaz de sobreviver por 2 milhões de anos, o dobro do tempo do DNA mais antigo encontrado anteriormente”, explicou à AFP Mikkel Winther Pedersen, um dos principais autores do estudo publicado na revista científica Nature.

Identificados em sedimentos, os diferentes fragmentos de DNA vêm “da parte mais ao norte da Groenlândia, chamada Kap Kobenhavn, e pertencem a um ambiente que não vemos hoje na Terra”, detalhou.

Eles foram muito bem preservados, já que estavam congelados e foram encontrados em superfícies pouco exploradas, continuou o professor da Universidade de Copenhague.

“Os rios levaram minerais e matéria orgânica para o ambiente marinho, onde esses sedimentos terrestres foram depositados. Então, há cerca de 2 milhões de anos, essa massa terrestre subaquática ressurgiu e passou a fazer parte do norte da Groenlândia”, explicou.

*Metro 1

Comentários

Leia também

Mundo
Donald Trump é considerado culpado em mais de 30 acusações

Donald Trump é considerado culpado em mais de 30 acusações

Essa é a primeira vez que um ex-presidente dos EUA foi acusado e recebe condenação criminal;...
Mundo
Presidente do Irã morre em acidente de helicóptero

Presidente do Irã morre em acidente de helicóptero

O veículo aéreo caiu em uma região de montanhas no noroeste do país em meio à uma...
Mundo
Israel lança ataque contra o Irã, afirma imprensa dos EUA

Israel lança ataque contra o Irã, afirma imprensa dos EUA

Até o momento nenhum dos países se manifestou oficialmente sobre o caso