Feira de Santana

Construtores de Feira de Santana apresentam demandas do segmento a José Ronaldo

A categoria busca Soluções para dificuldades no parcelamento de solo e liberação de alvarás

05/06/2024 11h09
Construtores de Feira de Santana apresentam demandas do segmento a José Ronaldo
Foto: Marcus Biancchi

A Associação dos Construtores Individuais de Feira de Santana (Acifs) se reuniu na noite de terça-feira (4) com o ex-prefeito e pré-candidato José Ronaldo para apresentar as demandas e dificuldades enfrentadas pelo segmento. O encontro ocorreu no salão de reunião da Feira Tintas.

Kaká Patrocínio, corretor, avaliador, professor e vice-presidente da Acifs, destacou a presença de técnicos da área de habitação e do advogado Jorge Oliveira, que expuseram questões cruciais sobre uso e ocupação do solo.

“Os construtores foram pegos de surpresa meses atrás com uma determinação que proibiu a construção de casas abrindo ruas em uma glebas de terra, algo que era anteriormente permitido”, explicou Kaká. Ele ressaltou a importância de resolver questões como parcelamento e desmembramento de solo, além da abertura de ruas, para fomentar novos empregos. “Representamos 1.500 casas por ano, gerando seis empregos diretos por casa, impactando diretamente quase 5.000 pessoas e injetando dinheiro no comércio.”

Foto: Marcus Biancchi

Vitor Coutinho, construtor e presidente sênior da Acifs, destacou a principal dificuldade enfrentada pelo segmento: o parcelamento de solo.

“Estamos enfrentando dificuldades nas pequenas áreas de mil, dois mil metros, e também nas unidades de 100 metros. A prefeitura suspendeu a liberação do Alvará para esses terrenos”, explicou. Segundo Vitor, a demora na liberação do alvará também é um problema significativo. “Damos entrada no alvará e não temos prazo para retirada, ficamos meses esperando.”

Foto: Marcus Biancchi

Paulo Sérgio, construtor da MC Construtora e um dos fundadores da Acifs, enfatizou o impacto econômico dos pequenos construtores.

“Movimentamos em média 270 milhões de reais por ano e construímos cerca de 1.500 unidades. Cada construtor emprega, em média, seis pessoas por unidade”, destacou Paulo. Ele criticou a visão técnica da prefeitura que bloqueou novas unidades. “Estamos esperando que o prefeito Colbert Martins nos atenda e encontre uma solução para que possamos voltar a trabalhar.”

Vívian Lima, construtora e engenheira civil, destacou a importância da reunião para fortalecer a categoria e buscar apoio político.

Foto: Marcus Biancchi

“Foi fundamental para formar uma equipe forte e aumentar nosso poder. Precisamos do apoio político e da Caixa Econômica para crescer no mercado e fomentar mais empregos na região.”

Falcão Júnior, construtor e engenheiro civil, relatou a surpresa com a mudança abrupta na política de parcelamento do solo.

“Há muitos anos, sempre tivemos facilidade para abrir ruas e dividir lotes. Nos últimos dois meses, esse processo foi travado sem aviso prévio, causando dificuldades para todos, especialmente para aqueles que já haviam adquirido terrenos com essa finalidade.”

O ex-prefeito, José Ronaldo de Carvalho, não aceitou conceder entrevista para nossa equipe de reportagem. 

Foto: Marcus Biancchi

*Com informações de Marcus Biancchi

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Zé Ronaldo celebra aniversário com missa de ação de graças

Zé Ronaldo celebra aniversário com missa de ação de graças

O evento contou com a presença de familiares, amigos e apoiadores que se reuniram para...
Feira de Santana
Feira de Santana é sexta entre as 10 cidades mais violentas no país

Feira de Santana é sexta entre as 10 cidades mais violentas no país

Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta quinta-feira...
Feira de Santana
“Estamos aqui juntos, permanecemos juntos”, afirma Colbert após Pablo retirar pré-candidatura

“Estamos aqui juntos, permanecemos juntos”, afirma Colbert após Pablo retirar pré-candidatura

Ao ser questionado sobre sua participação nas conversas que levaram Pablo a mudar de...