Brasil

CNM recomenda a prefeitos que não reajustem piso salarial de professores em 14,9% em 2023

Para a entidade, o reajuste é inconstitucional e traz um aumento de gastos de R$ 19,4 bilhões por ano aos municípios

18/01/2023 07h29
CNM recomenda a prefeitos que não reajustem piso salarial de professores em 14,9% em 2023
Foto: Alberto Coutinho/GOVBA

A CNM (Confederação Nacional dos Municípios) recomendou a prefeitos, nesta terça-feira (17), que ignorem o reajuste de 14,9% no piso salarial dos professores em 2023 e concedam aumento com base na inflação de 2022 medida pelo IPCA (índice nacional de preços ao consumidor amplo), que foi de 5,79% no ano passado.

O aumento do piso de quase 15% foi anunciado na última segunda-feira (16) pelo ministro da Educação, Camilo Santana. Pela medida, publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (17), o piso passa de R$ 3.845,63 para R$ 4.420,55, para a jornada de 40 horas semanais.

Segundo um levantamento da CNM, o impacto anual do aumento nos cofres municipais será de R$ 19,4 bilhões.

A entidade ressalta que a elevação do piso do magistério é concedida pela União mas não impacta as finanças do governo federal, pois quem paga essa conta são os estados e municípios.

É o segundo ano consecutivo em que a CNM critica o reajuste dado aos professores e afirma que ele é inconstitucional. A lei do piso salarial dos professores foi sancionada em 2008 e estabelece um reajuste anual, todo mês de janeiro.

Em 2022, o reajuste para os professores foi de 33,24%, e o salário passou de R$ 2.886 para R$ 3.845,63.

*Com informações r7

Comentários

Leia também

Brasil
Ministério da Saúde recebe 1,8 milhão de doses da CoronaVac para crianças

Ministério da Saúde recebe 1,8 milhão de doses da CoronaVac para crianças

Carregamento faz parte do quarto contrato de compra de 10 milhões de doses feito no início...
Brasil
Glória Maria será velada em cerimônia restrita a familiares e amigos
Brasil
Telegram paga multa de R$ 1,2 milhão ao STF

Telegram paga multa de R$ 1,2 milhão ao STF

Valor foi determinado pelo ministro Alexandre de Moraes