Economia

CGU aponta que INSS pagou R$ 193 milhões a 17 mil mortos entre 2019 e 2023

Segundo auditoria, foi observado um crescimento de pagamentos feitos pelo INSS a beneficiários mortos de 2019 a 2022, e uma queda em 2023

02/05/2024 17h00
CGU aponta que INSS pagou R$ 193 milhões a 17 mil mortos entre 2019 e 2023
Foto: Agência Brasil

Um levantamento realizado pela Controladoria Geral da União (CGU) aponta que entre janeiro de 2019 e junho de 2023 o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pagou R$ 193 milhões a beneficiários mortos.

Conforme Paulo Cappelli, no portal Metrópoles, o relatório do CGU mostra que os pagamentos foram feitos a 17,7 mil pessoas cujo óbito foi registrado em bases de dados governamentais. Considerando apenas junho de 2023, foram identificados pagamentos a 2.950 pessoas mortas, totalizando R$ 5,5 milhões.

Ainda de acordo com a publicação, o CGU apontou também que 75% dos pagamentos continuaram sendo realizados até três meses depois do registro do óbito no Sistema Nacional de Informações de Registro Civil (Sirc) e no Sistema de Controle de Óbitos (Sisob).

Foi observado um crescimento no volume de pagamentos feitos pelo INSS a beneficiários mortos de 2019 a 2022, e uma queda em 2023. Foram pagos R$ 35,3 milhões em 2019, R$ 41,7 milhões em 2020, R$ 42 milhões em 2021 e R$ 46 milhões em 2022, com redução para R$ 27,6 milhões no ano passado.

Para a auditoria, foram cruzados dados da chamada Maciça do INSS, a atualização periódica na folha de pagamento do instituto, com os dados do Sisob e so Sirc. As informações foram checadas ainda junto às bases do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) da Receita Federal.

“A partir do cruzamento desses dados, identificaram-se 17.738 beneficiários na Maciça cujo CPF do titular consta nessas bases como falecido, envolvendo 18.747 benefícios que totalizam R$ 193.136.813,11 em pagamentos pós-óbito”, diz o relatório.

O CGU atribui os pagamentos indevidos a falhas na rotina automatizada e no sistema Dataprev. “Ressalta-se a importância da utilização de outras fontes de informação, por exemplo, a base do CadSUS, que possibilitam a identificação de óbito e funcionam como mecanismos complementares nos casos em que o tempo entre o registro do óbito no Cartório e no Sirc seja extenso”, sugeriu.

O INSS, por sua vez, confirmou os dados levantados pelo CGU e informou ter enviado as informações “à área técnica e operacional competente (manutenção de direitos), para apreciação e adoção das providências que reputar cabíveis”.

*Com informações Bahia.ba

Comentários

Leia também

Economia
51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

51 milhões de brasileiros têm ofertas especiais para quitar dívidas, mas desconhecem benefícios

Esses indivíduos que desconhecem seus próprios débitos têm 206 milhões de ofertas...
Economia
Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Fazenda reduz para R$ 18 bi impacto da desoneração da folha em 2024

Segundo o ministro Fernando Haddad, governo precisa de projeto aprovado antes do recesso ...
Economia
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix

Dados protegidos pelo sigilo bancário não foram expostos