Feira de Santana

Cesta básica registrou queda de 5,33% em maio, de acordo com pesquisadores da Uefs

A cesta básica de Feira de Santana apresentou queda de 5,33% em maio, aponta a equipe de pesquisadores do programa “Conhecendo a Economia Feirense: custo da cesta básica e indicadores socioeconômicos”

04/06/2022 06h01
Cesta básica registrou queda de 5,33% em maio, de acordo com pesquisadores da Uefs
Foto: Geraldo Bubniak/AEN

A cesta básica de Feira de Santana apresentou queda de 5,33% em maio, aponta a equipe de pesquisadores do programa “Conhecendo a Economia Feirense: custo da cesta básica e indicadores socioeconômicos” do curso de Ciências Econômicas da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). O valor levantado dos 12 produtos que compõem a cesta básica, nas quantidades suficientes para o sustento e bem-estar de um trabalhador em idade adulta, foi de R$ 501,48 neste mês. Apesar dessa queda, a cesta acumulou alta de 7,60%, e, nos últimos 12 meses, o incremento foi de 19,38%.

O tomate, que vinha registrando sucessivos aumentos, foi o principal responsável pela queda do valor da cesta, tendo seu preço reduzido em 28,87%. Além do tomate, observa-se quedas nos preços de outros seis produtos, com destaque para banana-prata (-5,71%), açúcar (-4,04%) e arroz (-3,13%).Cinco alimentos apresentaram elevação de preço médio: pão (5,88%), feijão (5,22%), óleo (3,47%), leite (2,21%) e café (2,14%).

No trimestre, a alta verificada de 2,27% foi impulsionada pelo óleo de soja (27,34%), seguida pelas altas do feijão (24,57%), leite (18,59%), pão (12,59%) e manteiga (10,28%). Outros cinco alimentos também apresentaram elevação dos preços médios no trimestre, mas em magnitude menor que os citados. Os dois produtos que registraram queda foram o tomate (-22,41%) e a banana-prata (-0,32%).

Nos últimos 12 meses, para a variação do valor da cesta, de 19,38%, apenas o arroz não contribuiu para o incremento, já que foi o único alimento a registrar queda de preço médio (-9,71%). Tomando como referência os preços médios observados em maio de 2021, os alimentos que apresentaram as maiores altas foram o café (81,56%), o tomate (47,80%) e o óleo de soja (40,64%).

O almoço do feirense, composto por arroz, feijão e carne, respondeu por 38,03% do valor da cesta básica de maio, percentual superior ao observado em abril, que foi de 35,98%. A explicação para esse aumento está no preço médio do feijão, único alimento do almoço que teve incremento no preço (5,22%). O café da manhã – pão, manteiga, café e leite – representou 30,22% do custo da cesta, percentual também superior ao verificado no mês anterior, de 27,80%. Nesse caso, com exceção da manteiga, os demais itens do café da manhã apresentaram elevação de preço. As duas refeições juntas participaram com 68,25% do valor total da cesta.

No que se refere ao salário mínimo líquido vigente (salário mínimo descontado à previdência), o valor da cesta básica comprometeu 44,73% do ganho do trabalhador em maio. Trata-se de um comprometimento de 2,52 pontos percentuais a menos que o calculado em abril (47,25%). Em relação ao tempo de trabalho gasto para a compra da cesta, verifica-se um consumo de 98 horas e 24 minutos em maio, o que significa uma queda do tempo de trabalho necessário para adquirir a cesta em 05 horas e 32 minutos em relação ao observado em abril.

Confira AQUI o boletim completo.

Fonte: Ascom/UEFS

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Feira aguarda novas doses contra covid para manter a vacinação

Feira aguarda novas doses contra covid para manter a vacinação

Outras unidades também podem sofrer com desabastecimento
Feira de Santana
Prefeitura de Feira apoia campanha para doação de brinquedos

Prefeitura de Feira apoia campanha para doação de brinquedos

Doações podem ser feitas até o dia 20 em um dos quatro pontos de coleta
Feira de Santana
Centro de Abastecimento realiza homenagens à Santa Bárbara neste sábado (3)

Centro de Abastecimento realiza homenagens à Santa Bárbara neste sábado (3)

Homenagens a padroeira dos feirantes marcada ainda por missa e procissão