Feira de Santana

Cesta básica registrou queda de 5,33% em maio, de acordo com pesquisadores da Uefs

A cesta básica de Feira de Santana apresentou queda de 5,33% em maio, aponta a equipe de pesquisadores do programa “Conhecendo a Economia Feirense: custo da cesta básica e indicadores socioeconômicos”

04/06/2022 06h01
Cesta básica registrou queda de 5,33% em maio, de acordo com pesquisadores da Uefs
Foto: Geraldo Bubniak/AEN

A cesta básica de Feira de Santana apresentou queda de 5,33% em maio, aponta a equipe de pesquisadores do programa “Conhecendo a Economia Feirense: custo da cesta básica e indicadores socioeconômicos” do curso de Ciências Econômicas da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). O valor levantado dos 12 produtos que compõem a cesta básica, nas quantidades suficientes para o sustento e bem-estar de um trabalhador em idade adulta, foi de R$ 501,48 neste mês. Apesar dessa queda, a cesta acumulou alta de 7,60%, e, nos últimos 12 meses, o incremento foi de 19,38%.

O tomate, que vinha registrando sucessivos aumentos, foi o principal responsável pela queda do valor da cesta, tendo seu preço reduzido em 28,87%. Além do tomate, observa-se quedas nos preços de outros seis produtos, com destaque para banana-prata (-5,71%), açúcar (-4,04%) e arroz (-3,13%).Cinco alimentos apresentaram elevação de preço médio: pão (5,88%), feijão (5,22%), óleo (3,47%), leite (2,21%) e café (2,14%).

No trimestre, a alta verificada de 2,27% foi impulsionada pelo óleo de soja (27,34%), seguida pelas altas do feijão (24,57%), leite (18,59%), pão (12,59%) e manteiga (10,28%). Outros cinco alimentos também apresentaram elevação dos preços médios no trimestre, mas em magnitude menor que os citados. Os dois produtos que registraram queda foram o tomate (-22,41%) e a banana-prata (-0,32%).

Nos últimos 12 meses, para a variação do valor da cesta, de 19,38%, apenas o arroz não contribuiu para o incremento, já que foi o único alimento a registrar queda de preço médio (-9,71%). Tomando como referência os preços médios observados em maio de 2021, os alimentos que apresentaram as maiores altas foram o café (81,56%), o tomate (47,80%) e o óleo de soja (40,64%).

O almoço do feirense, composto por arroz, feijão e carne, respondeu por 38,03% do valor da cesta básica de maio, percentual superior ao observado em abril, que foi de 35,98%. A explicação para esse aumento está no preço médio do feijão, único alimento do almoço que teve incremento no preço (5,22%). O café da manhã – pão, manteiga, café e leite – representou 30,22% do custo da cesta, percentual também superior ao verificado no mês anterior, de 27,80%. Nesse caso, com exceção da manteiga, os demais itens do café da manhã apresentaram elevação de preço. As duas refeições juntas participaram com 68,25% do valor total da cesta.

No que se refere ao salário mínimo líquido vigente (salário mínimo descontado à previdência), o valor da cesta básica comprometeu 44,73% do ganho do trabalhador em maio. Trata-se de um comprometimento de 2,52 pontos percentuais a menos que o calculado em abril (47,25%). Em relação ao tempo de trabalho gasto para a compra da cesta, verifica-se um consumo de 98 horas e 24 minutos em maio, o que significa uma queda do tempo de trabalho necessário para adquirir a cesta em 05 horas e 32 minutos em relação ao observado em abril.

Confira AQUI o boletim completo.

Fonte: Ascom/UEFS

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Câmara terá ponto facultativo em virtude da Micareta; retorno das atividades será na terça (23)

Câmara terá ponto facultativo em virtude da Micareta; retorno das atividades será na terça (23)

No Centro de Cultura Amélio Amorim será montado o camarote da Polícia Militar, que funciona,...
Feira de Santana
Em parceria com a Prefeitura, maior aplicativo de mobilidade urbana do país chega a Feira

Em parceria com a Prefeitura, maior aplicativo de mobilidade urbana do país chega a Feira

O Cittamobi é conhecido nacionalmente por fornecer informações sobre horários de ônibus,...
Feira de Santana
Alvará visível é obrigatório para os comerciantes credenciados atuarem na Micareta

Alvará visível é obrigatório para os comerciantes credenciados atuarem na Micareta

Só é possível emitir o alvará se o comerciante estiver com a situação de pagamento...