Feira de Santana

Caso Klara Castanho: Doação Voluntária é um direito da mulher

Doar a criança para os cuidados de outra família, é um direito previsto e assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A mulher que opta por esse procedimento também tem direito ao sigilo.

03/07/2022 07h06
Caso Klara Castanho: Doação Voluntária é um direito da mulher
Foto: De Olho na Cidade

Na última semana, veio a público que a atriz Klara Castanho teria engravidado e entregado o bebê para adoção. Posteriormente, a jovem revelou através de uma carta aberta em seu instagram, que foi vítima de abuso sexual. Durante o programa Jornal do Meio Dia, apresentado por Jorge Biancchi, na rádio Princesa FM (96.9), a advogada Camila Trabuco, explicou que além da violência, a atriz também sofreu pelo vazamento de seus dados.

De acordo com a especialista em direitos da mulher, doar a criança para os cuidados de outra família, é um direito previsto e assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A mulher que opta por esse procedimento também tem direito ao sigilo.

“O Conselho Federal e Regional de Enfermagem estão apurando o caso, para a devida punição da equipe de enfermagem que divulgou os dados sigilosos. O sigilo ético-profissional é tipificado pelo código penal, portanto, passível de pena e multa”, disse a advogada, enfatizando que a lei de proteção de dados não se restringe apenas ao ambiente virtual.

Nos relatos da atriz, um dos médicos, mesmo sabendo do estupro, ainda a obrigou a ouvir o coração do recém-nascido e em  “disse que 50% do DNA eram meus e que eu seria obrigada a amá-la”, relatou.

Segundo Camila Trabuco, esse foi mais um ato de violência por parte dos profissionais. “Quando a mulher é vítima de esturpro ela já passa por uma violência tamanha, é suficiente para que aquela criança não seja vista como um bebê que será amado, ou um filho para cuidar, mas sim como uma lembrança de dor e sofrimento”.

As mulheres que sofrem esse tipo de situação também devem ser tratados por uma equipe profissional especializada, com acompanhamento psicológico e assistência social. “Nesse momento a mulher precisa se sentir acolhida pela rede de proteção, e essa rede passa pela equipe médica”.

A repercussão do caso levou a deputada estadual de São Paulo, Erica Malunguinho, a propor um projeto de lei que garante sigilo e pune exposição. Caso venha a ser aprovado, a lei terá o nome de Klara Castanho, mediante autorização da atriz.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
Racha na Câmara de Feira: quatro vereadores deixam grupo de Fernando Torres

Racha na Câmara de Feira: quatro vereadores deixam grupo de Fernando Torres

A informação foi revelada por um membro da base
Feira de Santana
Secretário de Agricultura envia projeto de suplementação para reforma de feiras livres 

Secretário de Agricultura envia projeto de suplementação para reforma de feiras livres 

O objetivo é promover uma reestruturação nas feirinhas da cidade
Feira de Santana
Secretaria Cultura apresenta programação fixa até dezembro

Secretaria Cultura apresenta programação fixa até dezembro

Arte na Avenida, Lá na Rua e a Feira de Antiguidades