Política

Cármen Lúcia é eleita presidente do TSE e assume em junho na vaga de Moraes

Esta será segunda vez de Cármen como presidente da corte

08/05/2024 07h10
Cármen Lúcia é eleita presidente do TSE e assume em junho na vaga de Moraes
Foto: Tânia Rêgo

A ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Cármen Lúcia foi eleita a nova presidente da corte, nesta terça-feira (7). Ela assumirá o cargo no lugar do ministro Alexandre de Moraes, que termina o seu biênio à frente da tribunal no dia 3 de junho. A gestão de Cármen também terá a mesma duração.

Na mesma sessão, o ministro Kassio Nunes Marques foi eleito o vice-presidente do tribunal. Os dois estarão à frente do TSE nas eleições municipais deste ano. Esta será segunda vez de Cármen como presidente da corte. Ela também presidiu o tribunal entre 2012 e 2013

Cármen agradeceu a confiança do tribunal e disse que ela e Kassio Nunes Marques se comprometem a “honrar a Constituição, as leis da República” e para que a Justiça Eleitoral “continue a cumprir sua função constitucional em benefício da democracia brasileira”.

Moraes disse que era uma honra “passar o bastão” para sua amiga e “uma das mais respeitáveis professores e escritoras de direito público, administrativo e constitucional”.

Cármen tem feito declarações em defesa de regulamentação das plataformas durante as eleições e que vê como desafios atuais com as redes sociais e o temor da criação de um “novo coronelismo digital”.

*Com informações Bahia.ba

Comentários

Leia também

Política
Senado aprova texto sobre “taxa das blusinhas”

Senado aprova texto sobre “taxa das blusinhas”

A medida deve impactar lojas estrangeiras como Shein, Shopee e AliExpress
Política
Fabya Reis é confirmada pré-candidata a vice na chapa de Geraldo Jr.

Fabya Reis é confirmada pré-candidata a vice na chapa de Geraldo Jr.

Anúncio aconteceu em evento no início da tarde desta quarta-feira (5)
Política
Arimateia denuncia falta de quórum na Comissão de Meio Ambiente

Arimateia denuncia falta de quórum na Comissão de Meio Ambiente

Conforme relatou, ‘os trabalhos não têm andado.’