Saúde

Cardiologista aborda desafios e cuidados na hipertensão em idosos

O Dr. Cláudio Rocha destaca a importância de um acompanhamento cuidadoso e personalizado no tratamento da hipertensão em idosos

02/06/2024 12h13
Cardiologista aborda desafios e cuidados na hipertensão em idosos

A hipertensão é um problema de saúde particularmente desafiador entre os idosos, especialmente em uma população que envelhece rapidamente. Compreender essas nuances é crucial para oferecer um tratamento eficaz e melhorar a qualidade de vida desses pacientes. Durante o momento IDM Cardio dessa semana, o cardiologista Dr. Cláudio Rocha explicou que cerca de 60 a 65% dos idosos têm hipertensão e que a automedicação pode ser prejudicial. Ele destacou que a hipertensão sistólica isolada, onde a pressão máxima está mais alta e a mínima mais baixa, é comum em idosos.

“As artérias dos idosos se tornam mais rígidas, aumentando o risco de AVC e outras complicações. É essencial regular bem a pressão arterial, utilizando medicações adequadas e ajustadas para cada paciente,” afirmou.

Ao ser questionado sobre os fatores de risco mais prevalentes em idosos, Dr. Cláudio identificou fatores de risco não modificáveis, como idade e genética.

“No entanto, fatores como consumo de sal, obesidade, estresse, sedentarismo e tabagismo podem ser modificados. Reduzir esses riscos é fundamental para melhorar a saúde dos idosos,” explicou ele.

Sobre os sintomas específicos de hipertensão em idosos, o cardiologista mencionou que muitos são assintomáticos.

“Ao contrário dos jovens, que podem sentir tontura e cefaleia, os idosos podem apresentar sonolência, confusão, desmaios e, eventualmente, AVCs. É importante estar atento a esses sinais,” alertou.

O cardiologista também destacou as complicações mais frequentes da hipertensão não tratada em idosos, como insuficiência cardíaca e AVC, além de morte súbita. Ele enfatizou os perigos da automedicação: “Muitas vezes, idosos tomam medicações recomendadas por amigos ou vizinhos, sem considerar suas condições específicas, como diabetes ou problemas renais.”

Em relação ao uso de chás e remédios caseiros, o médico foi claro: “Infelizmente, não temos evidências científicas que comprovem a eficácia de chás como o de chuchu. O uso excessivo de chás pode causar hepatite. É essencial que, mesmo se optarem por chás, os pacientes não abandonem suas medicações prescritas pelo médico.”

Sobre a polifarmácia e como evitar interações medicamentosas, Dr. Cláudio ressaltou que muitos idosos usam cinco ou mais medicações.

“É crucial que o médico assistente esteja ciente de todas as medicações utilizadas para evitar interações prejudiciais. A saúde do idoso é instável e qualquer desequilíbrio, como uma infecção, pode afetar gravemente sua condição,” explicou.

Por fim, abordando a interrupção do tratamento pelos idosos, o médico destacou que muitos interrompem o tratamento ao se sentirem melhor, o que é um erro cultural. “Anti-hipertensivos, por exemplo, podem ser usados a longo prazo sem problemas, desde que acompanhados por um médico,” concluiu.

Comentários

Leia também

Saúde
Pilates na reabilitação: Especialista destaca alternativa eficaz para a saúde da coluna

Pilates na reabilitação: Especialista destaca alternativa eficaz para a saúde da coluna

O pilates deixou de ser um tabu e se estabeleceu como uma modalidade eficaz de exercício...
Saúde
No mês da prevenção do câncer de bexiga, conheça os sinais da doença

No mês da prevenção do câncer de bexiga, conheça os sinais da doença

O mês de julho serve como um alerta para a população sobre a importância da prevenção...
Saúde
Julho Turquesa: Oftalmologista destaca campanha que busca conscientizar população sobre a síndrome do olho seco

Julho Turquesa: Oftalmologista destaca campanha que busca conscientizar população sobre a síndrome do olho seco

A campanha Julho Turquesa é uma iniciativa da Sociedade de Oftalmologia e do Conselho...