Economia

Balança comercial registra superávit de US$ 6,67 bi em novembro

Safra de grãos compensou queda nas exportações de ferro

01/12/2022 17h50
Balança comercial registra superávit de US$ 6,67 bi em novembro
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real

O bom desempenho da safra de grãos e as exportações de petróleo fizeram a balança comercial registrar o maior superávit para meses de novembro, informou hoje (1º) o Banco Central (BC). No mês passado, o país exportou US$ 6,675 bilhões a mais do que importou. Em novembro do ano passado, a balança tinha registrado déficit de US$ 1,11 bilhão. Esse é o melhor resultado para o mês desde o início da série histórica, em 1989.

De janeiro a novembro deste ano, a balança comercial acumula superávit de US$ 58,025 bilhões. Isso representa 0,7% a mais que o registrado nos mesmos meses do ano passado. O saldo acumulado, que até outubro estava abaixo do registrado em 2021, reagiu e agora bate recorde para os 11 meses do ano.

No mês passado, o Brasil vendeu US$ 28,164 bilhões para o exterior e comprou US$ 21,489 bilhões. As exportações subiram 30,5% em relação a novembro do ano passado, pelo critério da média diária, e bateram recorde em novembro, desde o início da série histórica, em 1989. As importações caíram 5,5% na mesma comparação, mas registraram o segundo melhor novembro da história, só perdendo para o mesmo mês de 2021.

No caso das exportações, o recorde deve-se mais ao aumento dos embarques que dos preços internacionais das mercadorias do que do volume comercializado. No mês passado, o volume de mercadorias exportadas subiu em média 27,2% na comparação com novembro do ano passado, enquanto os preços médios aumentaram 8%.

A valorização dos preços das mercadorias vendidas para o exterior poderia ser maior não fosse a queda do minério de ferro, cuja cotação caiu 27% na mesma comparação, e por produtos industrializados de ferro, como ferro-gusa, ferro-espoja e ligas de ferro, cujo preço recuou 20,3%, por causa dos lockdowns na China, que reduziram a demanda internacional.

Nas importações, a quantidade comprada caiu 4,9%, refletindo a desaceleração da economia, mas os preços médios aumentaram 7,6%. A alta dos preços foi puxada principalmente por adubos, fertilizantes, petróleo, carvão mineral e trigo, itens que ficaram mais caros após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

*Agência Brasil

Comentários

Leia também

Economia
Americanas afasta toda a diretoria após investigação de escândalo contábil

Americanas afasta toda a diretoria após investigação de escândalo contábil

São alvo de investigações da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) sobre omissão...
Economia
Dólar cai para R$ 5,04 após BC sinalizar juros altos por mais tempo

Dólar cai para R$ 5,04 após BC sinalizar juros altos por mais tempo

Bolsa recua 1,42% após manutenção da taxa Selic
Economia
Dólar é negociado abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde junho

Dólar é negociado abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde junho

Recuo neste quinta é atribuído aos reflexos da Superquarta, quando o FED aumentou os...