Feira de Santana

Avenida Maria Quitéria: relevante via para integração urbana e avanço do comércio

Um dos comerciantes mais antigos das ruas no entorno da avenida é Luiz de Jesus Moreira, que atua há mais de 30 anos no ramo e testemunhou o desenvolvimento da região

01/09/2022 11h56
Avenida Maria Quitéria: relevante via para integração urbana e avanço do comércio
Foto: Kleiton Costa

Kleiton Costa

Considerada uma das mais antigas vias de tráfego de Feira de Santana, a Avenida Maria Quitéria tem na sua história a necessidade de integração entre os extremos da cidade e a importância para o setor comercial. 

A avenida foi construída na década de 50, mesmo período do surgimento da João Durval Carneiro. Liga as regiões norte e sul da cidade, favorecendo o tráfego e abrigando hoje uma infinidade de estabelecimentos – bancos, lojas, restaurantes, clínicas, laboratórios e até casa de eventos. 

Um dos comerciantes mais antigos das ruas no entorno da avenida é Luiz de Jesus Moreira, que atua há mais de 30 anos no ramo e testemunhou o desenvolvimento da região. “Quando começamos aqui não havia pavimentação. A avenida foi se desenvolvendo e o governo decidiu pavimentar e hoje essa via se tornou muito importante para o comércio de veículos”.  

Proprietário das lojas Lula Veículos e Menezes Car, Luiz conta que as revendedoras de carros da avenida atraem clientes de várias cidades vizinhas. “Todos que querem adquirir um veículo vêm para a Maria Quitéria”. Segundo ele, o nome da avenida se tornou famoso em diversas cidades pela tradição de reunir lojas de veículos.  

Quando as primeiras lojas de carro surgiram na avenida, o Fiat Uno estava entre os mais buscados. “Era um carro mais resistente, inclusive para a zona rural. Veio o Gol, mas as pessoas procuravam também o Chevetti, Brasília, Variante, Caravan, Monza e Opala”, relatou Luiz Moreira, mais conhecido como Lula.

Se hoje um financiamento bancário de veículo assusta e preocupa os consumidores, há mais de 30 anos os juros já eram uma forma de exploração, segundo Luiz Moreira. “As taxas eram altíssimas. O consumidor não tinha muita escolha, eram poucas lojas, e os bancos eram abusivos, cobrando o que queriam”, lembra o comerciante.

Comentários

Leia também

Feira de Santana
“A minha preocupação são os voos”, afirma Jerônimo sobre o aeroporto de Feira

“A minha preocupação são os voos”, afirma Jerônimo sobre o aeroporto de Feira

Jerônimo destacou que o governo realiza investimentos e melhorias em infraestrutura
Feira de Santana
Procon divulga pesquisa de preço de itens do cardápio junino

Procon divulga pesquisa de preço de itens do cardápio junino

Foram avaliados 14 produtos da época, entre eles amendoim, queijo, licor e massas para...
Feira de Santana
Doações para o Rio Grande do Sul seguem até esta sexta

Doações para o Rio Grande do Sul seguem até esta sexta

A iniciativa solidária já arrecadou mais de 12 toneladas de itens essenciais, incluindo...