Programa De Olho na Cidade

15/05/2019 - 12:06

Corte de verbas na educação leva mais de 4 mil pessoas às ruas em Feira de Santana

Manifestação aconteceu na manhã desta quinta-feira (15) na Avenida Getúlio Vargas. Aulas nas redes pública e privada estão suspensas o dia inteiro.
Educação
Corte de verbas na educação leva mais de 4 mil pessoas às ruas em Feira de Santana
Milhares de estudantes e professores durante protesto contra corte de verbas na Educação (Foto: Taiuri Reis)
Gabriel Dallas e Taiuri Reis
 
Atualizada às 13h02
Com palavras de ordem e entoados pela paródia "Ô Bolsonaro, seu caxixinha, os estudantes vão botar você na linha", mais de 4 mil estudantes e professores das redes pública e privada de Feira de Santana se reuniram em protesto pacífico na manhã desta quarta-feira (15), contra o corte de verbas na Educação anunciado pelo governo Jair Bolsonaro (PSL).
 
 
Da praça Tiradentes, em frente ao Colégio Gastão Guimarães, eles seguiram pela Avenida Getúlio Vargas até a prefeitura, onde foi encerrada a manifestação. Membros de sindicatos e movimentos sociais também participaram do ato.
 
Foto: Taiuri Reis/De Olho na Cidade
 
"Esse corte é muito cruel. Empobrece os mais pobres e enriquece os mais ricos. Não podemos deixar passar essa injustiça", afirmou o diretor do Sindicato dos Professores da Rede Particular, Marialvo Barreto ao De Olho na Cidade (Sociedade News 102,1 FM).
 
Foto: Taiuri Reis/De Olho na Cidade
 
Para a professora Marlede Oliveira, "não se desenvolve um país armando a população e sim com educação". "Tirar investimentos da educação é uma grande perversidade!", alertou.
 
Foto: Taiuri Reis/De Olho na Cidade
 
A estudante Manuela Terra Nova, da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), mostrou preocupação com o bloqueio de 30% do orçamento da instituição.
 
Foto: Taiuri Reis/De Olho na Cidade
 
"Como os alunos que dependem de bolsas de estudo irão se manter no campus, que é alugado, e os novos vão adentrar à universidade?", questiona.
 
Foto: Taiuri Reis/De Olho na Cidade
 
As informações são do repórter Taiuri Reis

Comentários

Leia também