Programa De Olho na Cidade

SECOM - BOTTON
28/03/2018 - 17:44

Parente recua e suspende fechamento das fábricas de fertilizantes da FAFEN

Momento Sindical
Em reunião no Congresso Nacional nesta terça (27), o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, anunciou a suspensão do fechamento das Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados da Bahia e de Sergipe. A medida deve durar por pelo menos 120 dias, a contar a partir de 30/06/2018. Durante esse período, um Grupo de Trabalho (GT) formado por representantes da Petrobrás, da FIEB, da FIES, dos Governos Estaduais da Bahia e de Sergipe, além de representantes dos trabalhadores, deve buscar alternativas que viabilizem a manutenção das fábricas em operação.
 
A decisão veio após uma série de atividades sindicais e articulações políticas do Sindipetro Bahia. No sábado (19), foi feita a denúncia no site do sindicato, repercutida pela mídia e pelos meios político e empresarial. Na semana seguinte, foram realizadas duas Audiências Públicas (Camaçari e Dias D’ávila), além de reunião com o Diretor da Petrobrás, Jorge Celestino. Os Governos da Bahia e de Sergipe, juntamente com parlamentares das bancadas no Congresso Nacional, elevaram a pressão contra o fechamento das FAFENs, o que fez a Petrobrás recuar até novembro.
 
Durante a reunião, o deputado federal Nelson Pelegrino (PT-BA) entregou requerimento ao presidente da Petrobras com 29 questionamentos sobre o fechamento das unidades. O deputado também incluiu a representação dos trabalhadores, com a participação da Federação Única dos Petroleiros – FUP. 
 
Sindipetro orienta os trabalhadores a não se inscreverem no Mobiliza
 
A adesão a esse programa fortaleceria o argumento da empresa pelo fechamento das fábricas. A estratégia é mobilizar as pessoas para outras unidades e, assim, desmobilizar as FAFENs.
 
Seguiremos na luta por uma Petrobrás nacional, forte e integrada. Assim, cresce nossa responsabilidade por elegermos legítimos representantes do povo e dos interesses nacionais brasileiros nas eleições de outubro.
 
As informações são da Ascom do SindPetro/Bahia.

Comentários

Leia também