Programa De Olho na Cidade

01/05/2017 - 13:33

1º de maio: instabilidade no mundo do trabalho é principal preocupação de sindicalistas de Feira

Momento Sindical
1º de maio: instabilidade no mundo do trabalho é principal preocupação de sindicalistas de Feira

Kleiton Costa

Em meio à atual imprevisibilidade na legislação trabalhista, o Dia do Trabalhador, neste 1º de maio, não é um momento para comemorar na avaliação dos militantes do movimento sindical de Feira de Santana. Segundo eles, é preciso intensificar a luta, especialmente por conta das possíveis mudanças com a proposta de Reforma Trabalhista e da Previdência.

O secretário de relações de trabalho da CUT Bahia, Derlan Queiroz, considera o 1º de maio uma importante data para marcar a luta dos trabalhadores. “É um dia em que a gente reafirma a luta em defesa da classe trabalhadora. As conquistas de hoje são fruto de muitos companheiros que ‘tombaram’. A data é importante para garantir as conquistas e lutar contra as tentativas de retirada de diretos que o presidente e o Congresso Nacional estão tentando”.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, José Ferreira Sales, avalia que este dia é importante para denunciar os abusos do setor patronal. “É um momento para expressar o descaso que tem ocorrido em cada categoria”, opinou o sindicalista, conhecido como Zé Grande.

A História do Dia do Trabalho remonta o ano de 1886, quando milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho na industrializada cidade de Chicago, nos Estados Unidos. Neste mesmo dia ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores. Em confrontos policiais, diversos trabalhadores morreram.

Já Alberto Nery, que representa os trabalhadores rodoviários de Feira de Santana, salienta o simbolismo do Dia do Trabalhador. “É um marco histórico, já que trabalhadores perderam as suas vidas para conseguir uma jornada de trabalho. O que temos hoje é devido à essa luta”.

Comentários

Leia também