Programa De Olho na Cidade

13/03/2017 - 07:50

Primeira jornalista trans da Bahia diz que sonha em trabalhar na TV aberta

Março Mulher
Primeira jornalista trans da Bahia diz que sonha em trabalhar na TV aberta
Alana Andrielle, 36 anos, natural de Riachão do Jacuípe, é a primeira transexual da Bahia formada em Jornalismo. Em entrevista ao Jornal do Meio Dia (Princesa FM), ela contou que desde cedo brincava com coisas relacionadas à profissão de jornalista. “Anotava as notícias que via na TV e depois brincava que era apresentadora de telejornal”, disse.  
 
A jornalista contou que o seu grande objetivo profissional é trabalhar na TV aberta, pois ela considera que seria um marco para as mulheres trans. “Ainda nos enxergam como alguém que só trabalha na cobertura de festas. Gosto de trabalhar com Jornalismo sério e factual”, pontuou.
 
Questionada se o fato de ser uma transexual influenciou em sua carreira, na aceitação no mercado de trabalho, ela disse que isso ocorreu não só pela sua sexualidade, mas pela crise que passa o país. “Persevero sempre. Tenho um blog e também trabalho com assessoria de comunicação. Tenho sido muito bem tratada”, contou.
 
Sobre o uso do nome social, a jornalista relatou que o seu nome de nascimento não a constrange mais. “Amadureci e vi que não precisava viver nessa obsessão de querer mudar meu nome [nos documentos], mas a adoção de meu nome social ]no relacionamento interpessoal] ajudou no meu processo de aceitação. Mesmo mudando de nome eu não vou apagar meu passado. Isso está em segundo plano. Temos que lutar pelo nosso respeito, independente de nome”, disse.
 
Lorena Souza

Comentários

Leia também