Programa De Olho na Cidade

27/08/2012 - 07:36

Festival de Violeiros atrai grande multidão e premia dupla pernambucana

Resgate e valorização da cultura popular.
Feira de Santana
Festival de Violeiros atrai grande multidão e premia dupla pernambucana

A cultura popular, o improviso do repente e os versos simples entoados pelos violeiros foram aplaudidos por centenas de pessoas que comparecem à 38ª edição do Festival de Violeiros do Nordeste, na noite de sábado (25). Com o auxílio da viola, os repentistas fizeram a alegria do público e mantiveram a verdadeira essência do tradicional evento, realizado no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca).

A iniciativa é uma realização da Associação dos Violeiros e Trovadores da Bahia (AVTB) e tem a parceria da Prefeitura de Feira de Santana, através da Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa, e Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).

O público contou com a apresentação de seis duplas de Pernambuco (Mocinha de Passira e Severino Tomaz), Alagoas (Gilberto Alves e Vem Vem do Nordeste- Sergipe), Bahia (Paraíba da Viola e Davi Ferreira; e Antônio Maracujá e Nadinho), e Paraíba (João Bezerra e Palmeirinha-Paripiranga).

Para abrilhantar ainda mais o festival, os violeiros Caboquinho, João Ramos e Bule Bule, por sua vez, fizeram uma apresentação especial. Cada dupla teve um tempo de 20 minutos divididos em quatro gêneros diferentes, sorteados no momento da apresentação, para apresentar-se.

“Todos cantam uma sextilha (estrofe de seis versos), um mote setissílabos, um mote decassílabos e um gênero livre. uma variedade de temas muito grande para que o cantador possa fazer seu show no último gênero”, explica o violeiro e diretor financeiro da AVTB, João Ramos.

Para o violeiro Vem Vem do Nordeste, a promoção do evento a cada ano é prova de que a cultura continua evoluindo e que Feira de Santana continua abraçando os cantadores. “Fazer este trabalho não é fácil porque a gente não sabe o que vai cantar, mas a natureza nos favorece. A gente traz esse dom da poesia, de cantar de repente. E, de acordo com o tema, a gente descobre o caminho certo para desenvolver o trabalho”, conta.

Vencedora do Festival juntamente com seu parceiro Severino Tomaz, Mocinha de Passira começou a carreira aos 11 anos. “Neste tempo encontrei mais dificuldade por parte da própria mulher que pelo homem, mais isso é uma coisa de Deus e não tem sexo. Quando disse a meu pai que memorizava, ele comprou logo uma viola”, relembra.

Os participantes foram premiados com troféus simbólicos e cachê, que variam de acordo com a distância da cidade de cada um. a comissão julgadora foi composta por Helena Conserva, Franklin Maxado, Severiano Gonçalves e Simone Ramos. O evento também contou com a presença dos secretários municipais de Cultura, Esporte e Lazer, Euclides Artur Andrade; e de Saúde, Getúlio Barbosa.

As informações são da Secom.

Comentários

Leia também